Para o ministro da Economia, as 27 mil novas empresas criadas de janeiro a setembro e a evolução muito positiva das exportações são provas da «vaga de empreendedorismo» atualmente vivida em Portugal.

«Hoje Portugal experimenta uma época de empreendedorismo que representa uma energia nova na economia e na sociedade», sustentou António Pires de Lima, apontando este «esforço» como, «em boa parte, responsável pelos 130 mil novos empregos líquidos que se criaram de 31 de março a 30 de outubro».

A par desta «onda de empreendedorismo», o ministro - que falava no Porto durante a conferência ¿Crescer & Competir 2020¿ - destacou o «esforço acrescido de competitividade das empresas portuguesas», traduzido no aumento das exportações de 28% do produto interno bruto [PIB] em 2008 para mais de 41% em 2013.

A este propósito, Pires de Lima reiterou o objetivo do Governo e da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) de, nos próximos cinco anos, elevar o peso das exportações para, «pelo menos, 52%» do PIB.

«A visão é terminarmos a década com um peso das exportações no PIB que é quase o dobro daquele que Portugal conhecia em 2009, fruto de ganhos de quota de mercado num leque muito alargado de setores, tanto nos mercados mais próximos, da Comunidade Europeia, como, sobretudo, em novos mercados e novas geografias», disse.