A venda do Novo Banco poderá agravar o défice de 2014. O processo de venda está na reta final e, face às ofertas selecionadas, entre a maior de 4200 milhões dos chineses da Anbang e a injeção do Fundo de Resolução de 4900 milhões há uma diferença de 700 milhões de euros.
 
No entanto, a perda ainda pode ser maior. O semanário "Expresso" fez contas aos cenários que podem tornar o preço mais baixo no futuro e fazer aumentar a diferença entre a injeção de capital e o valor da venda até aos dois mil milhões de euros.

A diferença fará aumentar o défice do ano passado de 4,5% para quase 6%. Isto porque dos 4.900 milhões de euros que o Novo Banco custou ao Fundo de Resolução, o Estado contribuiu com um empréstimo de 3.900 milhões e, enquanto não conseguir reaver tudo, haverá um efeito pontual no défice de 2014, sem interferência no objetivo deste ano.

O líder socialista António Costa reagiu à notícia, afirmando que o melhor é esperar serenamente que o peso não fique do lado do Estado.