O Novo Banco informou esta sexta-feira que a implementação da solução comercial criada para ressarcir os detentores de ações preferenciais de dois dos três veículos comercializados pelo BES só será possível em junho e não em abril, como previsto.

Por motivos a que o Novo Banco é alheio, imputáveis exclusivamente às restantes partes envolvidas neste processo (entidade gestora, 'trustee' e 'arranger') a votação de alteração de estatutos dos veículos Poupança Plus e Top Renda irá apenas iniciar-se no próximo dia 10 de março de 2016", lê-se no comunicado disponibilizado através da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O período de votação de cada um destes veículos terminará no dia 31 de março de 2016, ficando a respetiva documentação disponível para consulta nos balcões e site do Novo Banco durante o período de votação. É expectável que o processo de liquidação e a implementação da solução comercial para estes veículos (entrega das obrigações e constituição dos depósitos a prazo aplicáveis) seja concluído no prazo de três meses a contar da data de início da votação, isto é, no decorrer de junho de 2016", revelou a entidade liderada por Stock da Cunha.

Quanto ao veículo EuroAforro 8, a alteração dos seus estatutos foi aprovada no dia 04 de fevereiro, "um passo decisivo na implementação da solução comercial, permitindo o exercício da opção de liquidação em espécie das ações preferenciais e, posteriormente, a entrega das obrigações e constituição dos depósitos a prazo aplicáveis no âmbito da solução comercial apresentada pelo Novo Banco, a ocorrer em abril de 2016", especificou a instituição.

O Novo Banco tinha comunicado a 23 de dezembro ser "expectável que o processo de liquidação e a implementação da solução comercial - entrega das obrigações e constituição dos depósitos a prazo aplicáveis - seja concluído no prazo de três meses a contar da data de início da votação, isto é, no decorrer de abril de 2016".

A instituição financeira voltou esta sexta-feira a realçar que os clientes que aderiram à solução comercial apresentada pelo Novo Banco, que teve a adesão de 80% dos clientes detentores de ações preferenciais e 77% do número de ações preferenciais emitidas pelos veículos, "asseguram a maioria necessária de instruções de voto para deliberar a alteração dos estatutos de cada um dos veículos".

Assim, o Novo Banco assinalou que, ao abrigo dos poderes a si conferidos, "irá votar e exercer a opção de liquidação para os clientes que aderiram à solução comercial, não sendo necessária nenhuma diligência adicional da parte destes".

E acrescentou: "Os clientes que, não tendo aderido à solução comercial apresentada pelo Novo Banco, pretendam participar na votação e exercer a opção de liquidação, deverão entrar em contacto com o Novo Banco para transmitirem as respetivas instruções".