Duas companhias aéreas venezuelanas, a Aserca e a Santa Bárbara Airlines, vão terminar, a partir de junho, as operações de transporte de passageiros, deixando mais de 500 profissionais no desemprego.

O anúncio foi feito durante uma reunião conjunta entre diretores das duas companhias e os trabalhadores, durante a qual foi acordado o pagamento de salários e outros benefícios até o mês de junho.

Segundo o portal na internet venezuelano La Patilla, responsáveis de ambas companhias afirmaram esperar que os funcionários tenham novos empregos em junho.

A notícia apanhou de surpresa os trabalhadores que esperavam a fusão das duas empresas para manter a operação no mercado venezuelano e internacional, mesmo depois de ambas terem reduzido em mais de metade o número de funcionários.

Com sede na cidade venezuelana de Valência (centro do país), a Aserca Airlines foi fundada em 1990 e operava em conjunto com várias companhias aéreas da Venezuela, incluindo a Santa Bárbara Airlines, no país e nas Caraíbas.

Fundada em 1995, a Santa Bárbara Airlines voava para Aruba e Curaçau (Caraíbas), Colômbia, Reino Unido, Espanha e Estados Unidos.

Em junho de 2006, iniciou voos regulares entre Caracas e o Funchal, que manteve, segundo diversas fontes, durante cinco anos.

Em novembro de 2017, a Santa Bárbara Airlines suspendeu alguns voos, por falta de aviões e pela pouca rentabilidade das operações.

A 26 de janeiro de 2018 o Instituto de Aviação Civil da Venezuela suspendeu, por 90 dias, o certificado que permitia à companhia explorar o transporte aéreo de passageiros, por não poder cumprir com o itinerário programado e problemas na prestação do serviço.