A Direção-Geral do Tesouro e Finanças anunciou esta quinta-feira que vai vender, em hasta pública, o antigo edifício do Hotel de Turismo da Guarda, pelo valor de 1,7 milhões de euros. O leilão está marcado para o próximo dia 30 de abril, pelas 10:horas, nas instalações da DGTF, em Lisboa.

Os interessados podem apresentar propostas até às 16:00 do dia útil anterior ao da praça, segundo a informação que consta na página da Internet da direção-geral. 

A venda do imóvel, que pertence ao Turismo de Portugal, fica sujeita às condições de manutenção do seu uso turístico, através da instalação de um empreendimento turístico hoteleiro, pelo prazo de 30 anos, e à conclusão das obras de recuperação do edifício e início da sua exploração turística no prazo máximo de quatro anos, «sob pena de o contrato ser resolvido».

O edifício do Hotel de Turismo da Guarda foi vendido em 2010, pela Câmara Municipal, então liderada pelo autarca socialista Joaquim Valente, ao Turismo de Portugal, por 3,5 milhões de euros, para ser recuperado e transformado em hotel de charme com escola de hotelaria, mas o projeto não saiu do papel e o imóvel está de portas fechadas e a degradar-se.

O presidente da câmara da Guarda, Álvaro Amaro (PSD/CDS-PP), disse entretanto à agência Lusa que o anúncio da venda do imóvel em hasta pública é um passo «muito importante» para o futuro daquele edifício, que definiu como «uma pérola da hotelaria nacional».

«É muito importante, eu diria até determinante, para a solução que todos queremos: devolver o Hotel de Turismo à Guarda, à região e ao país», afirmou.

O autarca referiu ainda que o processo chegou a um ponto em que «é o mercado que vai ditar as suas regras».

«E espero, [que o mercado] perceba que estamos perante um hotel que é conhecido do país inteiro e é uma pérola da Guarda. E, também espero, que as pérolas tenham o seu valor e que o mercado perceba isso e que amanhã possamos ter de volta o Hotel [de Turismo] à Guarda, à região e ao país», declarou.

Para Álvaro Amaro, a reabertura daquela unidade hoteleira «constituirá o fim de um ponto muito negro da história da economia da Guarda».

O Hotel de Turismo, localizado junto do atual edifício da Câmara Municipal, inaugurado na década de 1940, foi a primeira unidade hoteleira da cidade mais alta do país.