A maioria dos alemães está satisfeita ou muito satisfeita com o seu emprego, alcançando uma percentagem de 88% entre os inquiridos, o que coloca os germânicos entre os mais satisfeitos da União Europeia com a sua situação laboral.

De acordo com um estudo difundido esta segunda-feira pelo Instituto da Economia Alemã, que se refere aos dados da organização Eurofund, a Alemanha alcançou uma percentagem de 88%, um pouco abaixo da líder Dinamarca com 94,9%.

No vermelho ficou a Albânia, com apenas 54,8%, enquanto Espanha se situou na faixa intermédia apesar da alta pontuação de 81%, adianta a Efe.

Segundo o diretor do Instituto, Michael Hüther, entre os indicadores de satisfação não contaram aspetos como o nível salarial, insegurança ou 'stress' no trabalho.

Os aspetos mais destacados pelos inquiridos que se declararam satisfeitos ou muito satisfeitos com o seu trabalho foram a relação com o chefe e colegas, assim como as possibilidades de promoção e ascensão na carreira.

O grau de «absoluta insatisfação» entre os trabalhadores alemães situou-se nos 2%.

Este estudo pretendia dar resposta a outras análises recentes que revelaram uma crescente precarização do mercado de trabalho alemão, estimando que 80 milhões de pessoas trabalham pelo salário mínimo ou em regimes de trabalho parcial.