O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil(SPAC) disse esta sexta-feira que a adesão à greve na TAP e na Portugália está a ser "bastante interessante", explicando que os voos estão ser comandados sobretudo pelas chefias.

Fonte da direção do SPAC, sindicato que convocou a greve que se iniciou  à meia-noite e que se deverá prolongar até 10 de maio, disse à agência Lusa que os primeiros números de adesão à paralisação são "bastante interessantes", tendo em conta que "é o primeiro dia", e acrescentando que nos próximos dias a greve terá mais perturbações.

"Quem está a fazer os voos são os pilotos ligados à direção da operação de voo, que têm tempo limite para voar, o qual será atingido nos próximos dias", especificou a mesma fonte.

Até às 12:00, a TAP registou 38 voos cancelados e 118 voos que deslocaram ou aterraram conforme o previsto, ou seja, apenas 25% dos voos foram cancelados, ​

Ainda assim, o SPAC não quis comentar números - a TAP divulgou esta manhã que foram realizados 52 voos e cancelados 21 -, argumentando "não ter acesso às plataformas", onde não constam, por exemplo, os voos cancelados antecipadamente pela companhia aérea.

Os pilotos da TAP iniciaram à meia-noite uma greve de dez dias, por considerarem que o Governo não está a cumprir o acordo assinado em dezembro de 2014, nem um outro, estabelecido em 1999, que lhes dava direito a uma participação no capital da empresa no âmbito da privatização.