logotipo tvi24

Dona da Cabovisão quer comprar Oni

Valor envolvido não chega a 100 milhões de euros

Por: tvi24    |   2013-05-17 19:14


A Altice, dona da Cabovisão, quer comprar a Oni por um valor inferior a 100 milhões de euros, mas divergências entre os acionistas desta operadora estão a atrasar o negócio, segundo responsáveis do setor.

Questionada pela Lusa sobre o interesse da Altice, fonte oficial da Oni disse que os acionistas da operadora «têm recebido várias demonstrações de interesse na empresa», escusando-se a avançar com pormenores

A mesma fonte adiantou que «todas as abordagens têm merecido a melhor consideração e representam o reconhecimento do esforço e confiança no trabalho desenvolvido ao longo do tempo».

No entanto, «não existindo, até ao momento, qualquer alteração à situação atual da empresa, continuamos plenamente focados no desenvolvimento da nossa estratégia de serviços e no plano de negócio definido», adiantou.

A Lusa pediu um comentário da Cabovisão sobre o assunto, mas até ao momento ainda não foi possível obter resposta.

De acordo com fontes do setor, o processo já se arrasta há vários meses, depois de a Altice, fundada entre outros por Armando Pereira, de ascendência portuguesa, e também detentora do maior operador francês de Cabo ¿ Numericable, ter colocado em cima da mesa uma proposta de compra da Oni por um valor «que não chega aos 100 milhões de euros», metade do valor face a propostas de aquisição que a Oni chegou a receber no passado.

A proposta esbarrou contudo nas divergências existentes entre os dois maiores acionistas da empresa que detém a Oni, a Winreason, que por sua vez é detida pela The Riverside Company, com 60,9%, e a Gestmin SGPS, com 34,6%.

As mesmas fontes explicam os motivos do desequilíbrio entre os acionistas: «O interesse da Riverside é sobretudo equity, o interesse da Gestmin é dívida, porque também tem dívida na Oni. Perante uma determinada proposta, primeiro a dívida tem precedência e comerá a maior parte da proposta e o que resta é para distribuir pelos acionistas e aí a Gestmin receberia muito mais do que a Riverside».

Após a aquisição da operadora de televisão por subscrição Cabovisão em fevereiro do ano passado por 45 milhões de euros à canadiana Cogeco, a Altice conseguiria com a compra da Oni a entrada no mercado empresarial, o alargamento da cobertura dos seus serviços a nível nacional, assim como a evolução para serviços de comunicações móveis, através da conversão da licença de wimax (acesso de banda larga), que a Oni tem, em licença de LTE (Long Term Evolution), ou seja, a quarta geração móvel.

Em declarações à agência Lusa na quinta-feira, o diretor-geral Cabovisão, João Zúquete da Silva, admitiu a possibilidade de a operadora de telecomunicações passar a incluir na sua oferta o serviço de comunicações móveis.

Esta possibilidade poderá ser concretizada se a Cabovisão se transformar num operador virtual (MVNO) utilizando a rede dos operadores móveis como a Vodafone, a Sonaecom e a Portugal Telecom, ou através da transformação da licença de wimax, caso a Altice compre a Oni, explicaram as mesmas fontes.

Partilhar

Associação de Bancos confia que nova equipa do BES vai ultrapassar crise
Faria de Oliveira diz «confiar em absoluto» no sucesso da nova liderança
CGD lucra 130 milhões de euros no primeiro semestre
Banco tinha apresentado prejuízos de quase 183 milhões no período homólogo
EDP aumenta lucros para 794 milhões de euros
Dados referem-se ao primeiro semestre do ano e mostram subida de 12% no resultado líquido
EM MANCHETE
Mais de dois mil edifícios com amianto
Levantamento feito pelo Governo foi divulgado esta quinta-feira e revela que 16% das construções estão contaminadas. Veja a lista dos ministérios com mais edifícios afetados
Ferreira Leite: Portugal não tem que agradecer «a pipa de massa»
Comissário Europeu: Governo escolheu, mas adiou decisão