Governador explica crise como «um problema de gestão da semanada»

Carlos Costa falava a alunos da Escola Básica e Secundária de Fontes Pereira de Melo, no Porto

Por: tvi24    |   23 de Abril de 2013 às 15:49
O governador do Banco de Portugal (BdP) descreveu esta terça-feira a crise a alunos do 2º ciclo como «um problema de gestão de semanada».

Questionado por um dos alunos sobre «quais as razões para o país estar em crise», Carlos Costa equiparou a atual situação portuguesa à de um aluno que «não mede bem a semanada que tem»: «Imagina que chegas à quarta-feira e ficas sem dinheiro e até sábado andas a pedir emprestado. Ao fim de algum tempo começas a acumular dívidas e há um dia em que chegam à tua beira e dizem: Ou pagas ou não te emprestamos mais», explicou.

«Quando isso acontece - continuou - vais ter junto dos teus pais ou padrinhos e dizes que te correu mal a vida, que tens uma dívida para pagar aos colegas e não tens dinheiro. E o teu pai diz-te: ¿Eu empresto-te, mas agora juizinho daqui para a frente, vais prestar-me contas todos os dias e isso é uma condição para te dar dinheiro para o dia seguinte¿. Isto é um programa de ajustamento financeiro».

Em caso de incumprimento, rematou Carlos Costa, no caso do aluno o «castigo» seria a proibição de «ir ao cinema ou jogar matraquilhos», enquanto que, «no caso de um país, será ficar pendurado com as suas tranches».

Já num registo mais sério, o governador do BdP considerou que o país está «a fazer o caminho das pedras», mas com o objetivo de voltar a «gerir a vida coletiva com muito mais autonomia e, daí para a frente, perceber que a gestão das finanças públicas, da despesa das famílias e do investimento das empresas tem que ser feito sempre com a preocupação de não ser para viver apenas um dia», cita a Lusa.

Outra aluna quis saber se «é possível prever se e quando o país vai sair da crise», ao que Carlos Costa respondeu um veemente «vamos», que, contudo, fez depender de «duas condições»: o comportamento do próprio país e o contexto internacional.

«Vamos sair da crise dependendo do nosso comportamento porque temos que adquirir a credibilidade que permite aceder aos mercados para nos continuarmos a financiar. E isso é uma condição indispensável. Mas um país não é uma entidade isolada que dependa apenas de si próprio, depende, nomeadamente, das exportações, que dependem da procura externa, que depende da situação em que estão os outros países», disse.

Para o governador, Portugal «vai sair da crise executando bem o programa de ajustamento que está a fazer» e, paralelamente, quando os «clientes» do país «começarem a enviar para as empresas nacionais encomendas pedindo para lhes fornecer calçado, vestuário, componentes para automóveis ou moldes».

A este propósito, Carlos Costa destacou que Portugal «tem que ter capacidade para vender mais quase que 50% daquilo que vende hoje ao exterior, porque só isso lhe dá possibilidade de sustentar o nível de bem estar que ambiciona».

«Vamos sair da crise, mas não é automático. É preciso força de vontade, esforço e inteligência da população, que se mede pelo que produz e pela forma como se comporta. Temos que nos comportar de acordo com aquilo que podemos e produzir mais para podermos [fazer] mais. O que nos falta é sentido de organização e de disciplina», concluiu.
PUB
EM BAIXO: Carlos Costa, Governador do Banco de Portugal (Lusa/EPA)
Carlos Costa, Governador do Banco de Portugal (Lusa/EPA)

COMENTÁRIOS

PUB
Governo quer todos os criminosos sexuais «longe» das crianças

Condenados por abusar de menores já estavam impedidos de trabalhar com crianças, mas a nova proposta do Governo não exclui que outros criminosos sexuais, de pessoas maiores de idade, também possam ser impedidos de exercer funções. Todos os profissionais em contacto regular com menores vão ter de apresentar registo criminal antes de poderem ser contratados. Executivo alterou proposta para a Base de Referenciação de pedófilos e os pais já não vão poder saber onde vivem os condenados