Contas bancárias com saldo negativo deixam de pagar comissão

Governo trava juros, taxas e comissões no crédito ao consumo

Por: Redação / PGM    |   3 de Abril de 2013 às 09:17
A legislação que estipula as novas regras do crédito ao consumo, limitando os juros e comissões, já foi promulgada e publicada em Diário da República. De acordo com o «Jornal de Negócios», a grande novidade é que os bancos deixam de poder cobrar comissões quando o saldo da conta entra no vermelho, já a partir de 1 de julho. Os custos chegam atualmente aos 30 euros.

«O credor não pode cobrar comissões em caso de ultrapassagem de crédito pelo consumidor», lê-se no diploma, citado pelo jornal.

A legislação define que a ultrapassagem de crédito se refere ao «descoberto aceite tacitamente pelo credor permitindo a um consumidor dispor de fundos que excedem o saldo da sua conta de depósito à ordem ou da facilidade de descoberto acordada».

Nesta legislação, o bancos ficam obrigados, em caso de ultrapassagem de crédito significativa por um período superior a um mês, a informar imediatamente o consumidor.

Prestações em atraso

Aprovadas mas ainda não promulgadas pelo Presidente da República estão também as novas regras que limitam a cobrança de taxas e juros de mora em caso de atraso no pagamento de prestações.

Os bancos vão poder cobrar apenas uma comissão por cada prestação vencida e não paga, com um teto de 4% do valor da prestação e num valor mínimo de 12 euros e máximo de 150 euros. Até aqui, os bancos cobravam várias comissões que, segundo o Governo, chegavam a atingir um valor equivalente ao da própria prestação. À comissão, acrescem juros de mora, limitados a 3%. O Governo espera que publicar estas novas regras até ao fim do mês.

A legislação já publicada traz também novos tetos para os juros do crédito ao consumo, que passam a estar limitados à média do mercado, acrescida de 25%. O aumento das taxas também é travado.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Banca
Banca

COMENTÁRIOS

PUB
CDS-PP abre porta ao diálogo com o PSD «com vista ao futuro»

O líder democrata-cristão e vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, garantiu este sábado que «não será pelo CDS-PP que se criarão dificuldades ou demoras» a um diálogo com o parceiro de coligação com vista às próximas eleições, mas deixa um alerta: «não se deve ter pressa em demasia», nem «se deve demorar em excesso», porque «na vida e na política há o momento certo»