Portugal é o sexto destino mais apetecível para internacionalizar uma marca de retalho.

Segundo dados da Jones Lang LaSalle, esta foi pelo menos a tendência sentida em 2007 e 2008. Na liderança do ranking, a Rússia e a Turquia são os principais destinos.

O primeiro país contabilizou 11,3 por cento dos movimentos internacionais nos últimos dois anos, enquanto a Rússia concentrou 10,6%.

A Europa Central e de Leste dominou as localizações mais populares, concentrando as cinco primeiras posições. As terceira, quarta e quinta pertencem, respectivamente à Polónia (8,9%), Roménia e República Checa (ambas com 7,5%).

Crise: distribuição abre dezenas de lojas e cria emprego

Portugal surge como o primeiro país após estes cinco mercados, posicionando-se atraindo 6,9% dos movimentos de expansão internacional dos retalhistas. O mercado nacional surge mesmo à frente do mercado do Reino Unido (6,6%).

Entre as mais-valias do mercado nacional estão os valores de arrendamento competitivos e um stock moderno de centros comerciais.

2009, ano de oportunidades

Já sobe 2009, o porta-voz da Jones Lang LaSalle, James Dolpin destaca que este será o ano das oportunidades: «Os negócios serão vantajosos para os operadores mesmo nas localizações prime, que irão dispor dos melhores termos de arrendamento para as melhores marcas com contratos fortes.»

Em matéria de tendências para os próximos tempos, James Dolphin sublinha que, apesar dos níveis de confiança dos retalhistas permanecerem razoavelmente fortes nos mercados da Europa Central, estes serão «agora mais selectivos em termos das localizações prime no comércio de rua e na escolha dos projectos nos países que exibam pipelines de promoção elevados, dando prioridade à qualidade»

Para este ano, a Europa Ocidental e do Sul será cada vez mais atractiva para marcas norte-americanas, prevendo-se que retalhistas como a Forever 21, a Anthropologie, a Hollister e a Crate & Barrel aproveitem negócios que venham a estar disponíveis.

Entre 2007 e 2008 entraram no mercado português 38 novos retalhistas internacionais, oriundos sobretudo de Espanha e Itália, mas também dos EUA, Reino Unido, França, Alemanha, Holanda e Brasil.