Bruno de Carvalho disse, esta segunda-feira, em conferência de imprensa, que se demite da presidência do Sporting caso os jogadores recuem nas rescisões, escrevendo, por escrito, uma carta à SAD do clube. 

Se os jogadores voltarem atrás, saímos nesse momento", sublinhou aos jornalistas.

Mas o presidente leonino quer que nessa mesma carta os seis jogadores garantam que ficam no clube caso Bruno de Carvalho se candidate a novas eleições e seja novamente eleito presidente. 

Se o problema é este Conselho Diretivo, basta os atletas escreverem uma carta dizendo duas coisas: uma é que, se estas direcção se demitir voltam atrá rescisões e jogam no Sporting. E outra é que, se voltarmos a candidatar-nos e ganharmos, continuam a valer estas permissas", vincou.

Esta segunda-feira, mais quatro jogadores apresentaram cartas de rescisão, alegando justa causa: o holandês Bas Dost e os portugueses Gelson Martins, Bruno Fernandes e William Carvalho. Bruno de Carvalho confirmou que "foram quatro as cartas de rescisão que chegaram hoje ao Sporting". 

Estas quatro rescisões juntam-se às de Rui Patrício e Podence, os primeiros a avançar para a rescisão, a 1 de junho. 

O dirigente admitiu que haverá mais rescisões até ao dia 15 de junho, a data até qual os jogadores poderão tomar esta decisão, já que nesse dia se cumprem os 30 dias após os incidentes na Academia de Alcochete.

Acreditamos que nesta estratégia de desgaste mais rescisões irão acontecer. Pela informação que temos, haverá mais cartas até dia 15", admitiu Bruno de Carvalho.

Bruno de Carvalho disse que as rescisões não têm fundamento.

Estas rescisões não têm fundamento de justa causa. (...). Há aqui uma situação de chantagem, que não me parece quee seja para levar até ao fim, tão fraca é a argumentação. Estes processos não são para levar até ao fim", defendeu.

Estas rescisões surgem na sequência, entre outros casos, das agressões sofridas por vários elementos do plantel e da equipa técnica em 15 de maio, na Academia do Sporting, em Alcochete, por cerca de 40 pessoas encapuzadas. Destes atacantes foram detidos 27, que ficaram em prisão preventiva.

De acordo com o código do trabalho, a declaração de resolução do contrato por justa causa deve acontecer nos 30 dias subsequentes aos factos que a justificam, pelo que até quinta-feira, 14 de junho, outros jogadores do plantel profissional do Sporting poderão rescindir.