A Agência de Saúde Pública (PHE) revelou, esta terça-feira, que existem cerca de trinta casos de gastroenterite nos Mundiais de atletismo de Londres em hotéis oficiais da competição.

Norovirus [a causa mais comum de gastroenterite e diarreia] foi identificada em dois casos, após análises”, informou a médica Deborah Turbitt, diretora da PHE.

De acordo com a Agência de Saúde Pública, “o norovirus é doloroso, mas pode ser tratado em um ou dois dias, através da ingestão abundante de líquidos”.

Como medida de precaução, os atletas foram transferidos para outros hotéis, revelou a Federação Italiana de Atletismo.

Entre os 30 atletas, destaca-se Isaac Makwala. O corredor do Botswana tornou-se mesmo na baixa mais mediática deste problema de saúde pública: Makwala retirou-se segunda-feira depois de vómitos antes da sua série de 200 metros, distância na qual detém a melhor marca do ano, com 19,77 segundos.

O atleta africano disse à BBC ao início da manhã que ainda estava “pronto a correr” hoje a final dos 400 metros, mas cinco horas antes da prova foi anunciado o seu abandono.

Makwala era o principal rival do sul-africano Wayde Van Niekerk, recordista mundial dos 400, nas provas de 200 e 400 metros, distância na qual tem o terceiro melhor tempo em 2017.