Jaime Marta Soares esteve no Jornal das 8 e na 21.ª hora para falar sobre a intervenção de Bruno de Carvalho esta sexta-feira em Alvalade, na qual reclamou a presidência do Sporting com base numa providência cautelar.

O ainda presidente da Mesa da Assembleia-Geral reforçou a ideia da Comissão de Gestão, que indica que a providência cautelar não tem valor judicial.

Apresentou duas providências cautelares que foram remetidas ao Sporting para ter o contraditório e está a decorrer o prazo, que termina a dia 21. Julgo que a sustentação do contraditório leva por diante a causa, na minha ideia [Bruno de Carvalho] não tem hipótese. Desde a primeira hora que fomos muito rigorosos no cumprimento dos estatutos e da lei geral, não pusemos o pé na poça, mantivemos uma independência perante tudo. O que ele apresentou foi mais um fait-diver. Ele foi a uma conservatória e registou a providência cautelar e apresentou esse registo que não decide nada. O período de contestação acaba no dia 21 e depois o Tribunal decidirá."

Marta Soares sublinha que Bruno de Carvalho apenas quis criar "instabilidade" e diz que tem sido ameaçado.

Isto foi para levar a Alvalade algo que não era mais do que o registo na conservatória das providências cautelares. Isto não tem nada de nada, não dá o direito de pensar o que quer que fosse. Isto era só para levar a comunicação social e criar instabilidade. Há situações inimagináveis, nomeadamente com o Presidente da Mesa da Assembleia-Geral, de centenas de ligações de dia e de noite que é incrível. Chamadas de números desconhecidos com insultos, não sei quem são. Se pensam que me conseguem derrotar ou mudar de rumo em relação a minha intransigência, estão bem enganados. Tenho sido constantemente ameaçado, com insultos da pior espécie."

Sobre Bruno de Carvalho referir que a providência cautelar suspende a Assembleia-Geral, Marta Soares nega qualquer ilegalidade.  

A Assembleia-Geral foi realizada dentro das regras, não há nada que não fosse cumprido. Bruno de Carvalho entrou na Assembleia-Geral ilegalmente, foi votar ilegalmente. Entrou pela garagem, eu não o vi entrar, só dei por ele quando sobe ao palco e eu não lhe dei a palavra porque já estavam encerradas as inscrições. Ouvi um burburinho e qual não é o meu espanto quando vejo que foi votar. Só é pode ser considerada ilegal por ele ter votado."

Jaime Marta Soares referiu ainda que Bruno de Carvalho não quer o melhor para o Sporting. 

Bruno de Carvalho não quer ver o êxito do Sporting. Reclamava paixão e amor, mas eu não entendo a mudança, estas atitudes para que não haja calma no Sporting. Bruno de Carvalho é o todo poderoso e esmaga tudo e todos para chegar ao poder, mas estamos num país democrático e eu estou convicto de que tudo vai correr dentro da normalidade. Isto vai permitir que haja debate forte e alargado. Que se batam todos os recordes de eleições. O que ganhar, que seja categórico."

Quanto ao facto de Bruno de Carvalho ter entrado hoje em Alvalade, Marta Soares fala em "falha de segurança".

Para mim houve falha na segurança. Ele foi recebido no camarote 27, mas não foi dentro do que é legal. Ele não podia participar numa reunião dentro do Sporting. Ele está suspenso de sócio."

Apesar de todas as confusões, o ainda presidente da Mesa da Assembleia-Geral acredita que o ato eleitoral de dia 8 vai correr dentro da normalidade.