Taça AO VIVO: F.C. Porto-Sporting em mais um clássico

Dragões e leões jogam passagem às meias-finais

Por: Redacção    |   2 de Fevereiro de 2010 às 09:52
SIGA O JOGO AO MINUTO
F.C. Porto e Sporting defrontam-se esta terça-feira no Estádio do Dragão, em jogo dos quartos-de-final da Taça de Portugal. O «clássico» tem início marcado às 20:45 e poderá ser um dos jogos mais importantes da temporada para os dois «grandes» do futebol português.
Depois da derrota em Braga na última ronda, que colocou a equipa de Carlos Carvalhal a 15 pontos do primeiro lugar e a nove do terceiro, ocupado pelo F.C. Porto. Com muito já perdido no campeonato, embora matematicamente ainda na luta por um dos primeiros três lugares, os leões têm na Taça uma hipótese de salvar a época. Isto porque, apesar do esforço da Liga de Clubes, a Carlsberg Cup continua a ser vista como competição menor.
SIGA O JOGO AO MINUTO
O F.C. Porto, apesar de estar ainda em todas as frentes possíveis, desde o título à Liga dos Campeões, os seis pontos de atraso para Sp. Braga e Benfica são fosso recuperável, mas preocupante. A Taça é, historicamente, uma competição importante para o clube e a hipótese de eliminar já um dos grandes adversários à sua conquista, no seu próprio estádio, não deixa de ser motivação extra.
Os campeões nacionais não têm, aparentemente, vida facilitada. Face à disponibilidade quase total do plantel leonino, Jesualdo tem algumas baixas importantes: o já conhecido caso de Hulk, mais Raul Meireles, Helton, Rodríguez e Bruno Alves, este último numa «estranha» opção de Jesualdo.
SIGA O JOGO AO MINUTO
Os dois gigantes têm encontro marcado para esta noite, no Dragão. Na primeira volta do campeonato, um golo de Falcao, aos quatro minutos, decidiu. Como será agora?

(...)
Veja o desenvolvimento desta noticia no Maisfutebol
Partilhar
EM BAIXO: Para a história fica um nulo
Para a história fica um nulo

COMENTÁRIOS

PUB
OE2015: há 66 milhões de euros em medidas por explicar

Técnicos independentes que apoiam o Parlamento dizem que não é possível aferir «o grau de razoabilidade» de algumas poupanças. Há previsões rodeadas de «elevada incerteza». Necessidades de financiamento são superiores aos limites de endividamento previstos. E, mais uma vez, é a receita - leia-se, impostos - que mais pesa no ajustamento