Charles Leclerc é a nova estrela em ascensão na Fórmula 1. O piloto monegasco de 20 anos da Sauber já pontuou em cinco corridas nesta temporada de estreia obtendo o sexto lugar do GP do Azerbaijão.

Formado na Academia Ferrari, Leclerc tem sido apontado como possível piloto da Scuderia já na próxima temporada e é visto como um potencial futuro campeão mundial. Mas o monegasco não é o único «jovem lobo» de quem se espera já muito, claro. Numa grelha onde estão também, por exemplo, Pierre Gasly ou Esteban Ocon, a estrela maior em ascenção é Max Verstappen.

O piloto da Red Bull estreou-se na F1 em 2015 e ganhou a sua primeira corrida no ano seguinte tornando-se o mais novo de sempre a consegui-lo, aos 18 anos. Hoje o holandês tem 20, os mesmos de Leclerc – inclusivamente, ambos farão ainda 21 anos neste ano com uma diferença de 16 dias...

E ao terem a mesma idade, os dois pilotos conhecem-se desde há bastante no mundo do automobilismo sendo rivais desde os tempos dos kartings. Leclerc revela que são velhos conhecidos, mas não próximos – e que o a relação retomada é não mais do que formal.

“Honestamente, era tenso nos nossso tempos de karting. Dizemos ‘Olá’ um ao outro no paddock, mas não somos os melhores amigos do mundo.”

Nesta entrevista à Associated Press feita ainda na Hungria, no grande prémio do passado fim de semana, Leclerc acrescenta que “a agressividade” que Versteppen “mostra na F1 é mais ou menos a mesma” que já existia “nos kartings” descrevendo o holandês como “um piloto especial”.

Leclerc reencontrou-se agora com Verstappen entre os jovens pilotos da F1 de quem se espera muito, mas de quem se fala, ao mesmo tempo, da idade. Mas o monegasco discorda dessa abordagem.

“De cada vez que que um jovem piloto chega à F1 tem o dedo apontado por causa da idade. Não penso que isso esteja certo. Devemos ser julgados pelo nosso desempenho, não pelo tempo há que já cá estamos.”