O anterior presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, diz que tem em sua posse uma decisão judicial que invalida a Assembleia Geral que o destituiu do cargo, razão pela qual foi esta sexta-feira ao Estádio de Alvalade.

Bruno de Carvalho explicou que um juiz suspendeu a decisão de revogação do seu mandato de presidente do Sporting, determinada na AG do clube realizada em 23 de junho.

Apresentámo-nos para retomar as nossas funções. Havendo resistência e oposição a isso, faremos o que a lei nos coloca ao nosso alcance. A nossa equipa de advogados e juristas tratará disso, evidentemente", afirmou Bruno de Carvalho, depois de ter estado cerca de três horas no Estádio José Alvalade, em Lisboa.

Bruno de Carvalho diz que o clube foi citado em 1 de agosto da decisão do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa, decorrente uma providência cautelar por si interposta, um dia antes de ter sido decidida a sua suspensão de sócio por um ano, pela comissão de fiscalização.

A justiça declarou ser ilícita [a decisão da AG], o que significa que o Sporting nada pode fazer a não ser receber-me de volta como presidente do clube e da SAD", disse Bruno de Carvalho, sublinhando: "Neste momento, o presidente do clube chama-se Bruno de Carvalho e o presidente da SAD chama-se Bruno de Carvalho."

Eleito presidente do clube em março de 2013 e reconduzido em 2017, Bruno de Carvalho foi destituído do cargo na reunião magna de junho, com 71,36% dos votos, e posteriormente suspenso de sócio pela Comissão de Fiscalização, criada na sequência da demissão da maioria dos membros do Conselho Fiscal e Disciplinar.

Na sequência da reunião magna, o ainda presidente da mesa da Assembleia-Geral, Jaime Marta Soares, apesar de estar demissionário, nomeou Artur Torres Pereira para a direção do clube e José Sousa Cintra, para liderar a Sociedade Anónima Desportiva do Sporting.

Foram, ainda, convocadas eleições para os órgãos sociais do clube, para 8 de setembro, e Bruno de Carvalho viu a sua candidatura rejeitada pela Mesa da Assembleia Geral, com base no facto de o ex-presidente estar suspenso.

João Benedito, José Maria Ricciardi, Pedro Madeira Rodrigues, Frederico Varandas, Rui Jorge Rego, Dias Ferreira e Fernando Tavares Pereira são os candidatos cujas listas foram validadas.