Viveram-se 30 minutos de pânico na academia do Sporting em Alcochete, na terça-feira, quando cerca de 50 encapuzados invadiram as instalações.

O relato consta do despacho do Ministério Público, que diz que jogadores e equipa técnica do Sporting foram vítimas de ameaças, agressões, lançamentos de tochas, coação, amedrontamento e reclusão forçada.

Segundo o documento, os agressores chegaram mesmo a ameaçar os jogadores de morte.

Vamos-vos matar! (…) Não ganhem no domingo que vocês vão ver”, foram algumas das ameaças feitas aos jogadores que estão referidas no despacho do Ministério Público.

O DIAP do Montijo diz que os homens que invadiram a academia do Sporting tinham um plano "previamente gizado e acordado entre todos" que passava por "molestar fisicamente os ofendidos e causar-lhes ferimentos e dores”.

Segundo a descrição feita pela procuradora do Ministério Público, o grupo forçou as portas do balneário, surpreendendo os jogadores e impedindo a sua saída.

Ali lançaram quatro tochas, sendo que uma delas atingiu o preparador físico Mário Monteiro, que sofreu queimaduras na mão esquerda e na barriga.

Os agressores atingiram Bas Dost com um cinto na cabeça e com pontapés no corpo e molestaram Jorge Jesus com um cinto verde na face e com pontapés no corpo.

Agrediram ainda outros sete outros jogadores, William Carvalho, Acuna, Battaglia, Fredy Montero, Misic, Rui Patricio e Petrovic, bem como o treinador- adjunto Mário Pinto e o enfermeiro Carlos Mota com vários socos e pontapés.

Pelo meio, os homens ainda provocaram um incêndio num jardim relvado e lançaram tochas contra vários veículos.