O Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa suspendeu as Assembleias Gerais do Sporting marcadas para 17 de junho, domingo, e 21 de julho. 

O tribunal deu provimento a uma Providência Cautelar interposta por um sócio leonino sem ligação a qualquer dos órgãos sociais do clube. Trata-se de manuel Gonçalo Cordeiro Ferreira, que, em 2011, fez parte da lista em que Pedro Santana Lopes se candidatava à Mesa da Assembleia Geral.

O tribunal considerou inexistente a comissão transitória por violar os estatutos do clube, conforme tem sido defendido por Marta Soares.

Assim, o tribunal considerou ilegítimas as convocatórias feitas pela Comissão Transitória da Mesa da Assembleia Geral, liderada por Elsa Judas.

No documento a que a TVI teve acesso, o tribunal ordenou ainda a intimação dos requeridos, nomeadamente o Conselho Diretivo e os membros da comissão transitória da MAG - Elsa Tiago Judas, Bernardo Trindade Barros e Yassine Nadir Nobre -, a não levarem avante aquelas assembleias gerais, sob pena de incorrerem e crime desobediência qualificada, punível com pena até dois anos de prisão.

Se as assembleias se mantiverem, o tribunal adverte que a polícia criminal poderá intervir para cumprir a legalidade e a ordem.

Veja o documento do tribunal aqui