O Ministério Público acusou o futebolista do Canelas 2010 Marco Gonçalves, que agrediu um árbitro, em abril de 2017. Deu-lhe uma pancada com o joelho e atingiu-o na cara. Na altura, o jogador disse que perdeu a cabeça e que nem se lembrava bem do que tinha feito, que só as imagens o elucidaram.

De acordo com a acusação, citada na nota da Procuradoria-Geral Distrital (PGD) do Porto, a 2 de abril de 2017, no decorrer de um jogo de futebol entre o Rio Tinto e o Canelas 2010, a contar para a fase de subida do Campeonato Distrital do Porto, o jogador, quando ia ser advertido pelo árbitro por ter agredido a soco um adversário, agarrou o juiz pelo pescoço, fazendo-lhe uma “gravata”.

E, de seguida, continuando a agarrá-lo pelo pescoço, puxou-lhe a cabeça para baixo e desferiu-lhe uma pancada com o joelho, atingindo-o na cara, especialmente no nariz”.

Em consequência da agressão, o árbitro esteve doente durante 60 dias, com igual afetação da capacidade para o trabalho.

Ainda de acordo com a acusação, quando o árbitro era socorrido pelo massagista da equipa do Rio Tinto, o arguido dirigiu-se a ele novamente, proferindo expressões intimidatórias da sua integridade física e suscetíveis de coartar a liberdade pessoal do ofendido.

O arguido está agora acusado de um crime de ofensa à integridade física qualificada e de um crime de ameaça agravada.

A 2 de maio do ano passado, o jogador foi suspenso por quatro anos e cinco meses pela Comissão de Disciplina da Associação Distrital do Porto. Foi-lhe aplicada a pena máxima. Quase um ano depois, chega a acusação por parte do Ministério Público.