Andrea Iannone foi o piloto mais rápido na segunda sessão de treinos livres para o GP de Itália de MotoGP, um apronto que ficou marcado por duas situações de bandeiras vermelhas.

A primeira interrupção ficou a dever-se a um violento acidente com Michele Pirro, piloto de testes da Ducati que este fim de semana alinha no campeonato com um wildcard.

Pirro sofreu uma violenta queda no final da reta da meta, onde os pilotos chegam a cerca de 350Km/h, o que obrigou à amostragem da bandeira vermelha e à paragem do treino livre.

O piloto italiano acabou por ser transportado de helicóptero para o hospital mais próximo do circuito de Mugello para exames médicos, depois de uma passagem pelo centro médico do circuito.

Pouco depois da sessão ter sido retomada foi a vez de Andrea Dovizioso ver o motor da sua Ducati partir-se o que obrigou a interromper novamente a sessão de forma a que a direcção de corrida verificasse a existência ou não de óleo na pista.

Já na fase final da sessão, Andrea Iannone, realizou o melhor tempo ao rodar em 1m46,735s, depois de já ter sido o mais rápido na sessão da manhã, relegando para a segunda posição da folha de tempos, Maverick Viñales (Yamaha), que terminou a 0,387s, na frente de Marc Márquez (honda) que alcançou o terceiro melhor registo a 0,483 de Iannone, mas não se livrando de uma nova queda.

 

A fechar o top cinco deste segundo treino livre para o GP de Itália, Johann Zarco (Tech3) que terminou a sessão a 0,630s, na frente de Jack Miller (Pramac Racing) que foi quinto a 0,668s do mais rápido.

Nota ainda para Andrea Dovizioso que terminou esta derradeira sessão de treinos livres de sexta-feira fora do top 10, ocupando a 12.ª posição a 1,167s do topo da folha de tempos

O italiano da Ducati bateu no entanto o recorde de velocidade do Circuito de Mugello alcançando os 356,9 Km/h e batendo o anterior máximo que pertencia a Andrea Iannone desde 2016.

Tempos combinados dos TL1 e TL2 para o GP de Itália de MotoGP: