A actual crise do capitalismo «não é o seu fim» e os Estados Unidos da América vão manter-se no «centro da economia mundial» até 2050, afirmou esta quinta-feira o professor da Escola de Economia de Estocolmo, Kjell Nordstrom.

«Está muito saudável, pois não é o capitalismo que tem um problema, mas sim a General Moters, entre outras empresas e instituições», disse o Kjell Nordstrom no Congresso Business Innovation in 2009, em Lisboa, citado pela Lusa.

O professor prevê também que os EUA vão continuar e 2050 no centro da economia mundial e que sejam acompanhados pela Checoslováquia e o Uruguai.

«Os EUA são um ideal e não um país. Todos podem rapidamente ser norte-americanos o que não acontece em França ou na Grã-Bretanha», salientou.