O presidente do Banco Comercial Português (BCP), Carlos Santos Ferreira, descartou esta sexta-feira qualquer tipo de ajuda ao Banco Privado Português (BPP).

«Não há nada em cima da mesa e se ajudasse seria por amor e não por interesse», esclareceu o responsável à margem de uma conferência sobre a crise económica, que se realizou esta tarde em Lisboa.

No que respeita à actual conjuntura, Santos Ferreira diz que temos quatro possibilidades de futuro: «crise de recessão prolongada, crise de longa estagnação, crise de recessão curta e crise de recessão global moderada».

«Gostaria que a nossa situação oscilasse entre a recessão curta e a recessão moderada, mas receio que estejamos mais do lado da moderada», disse o responsável.

No entanto, Santos Ferreira diz que «já vivemos crises destas, só que esta é pior porque somos nós que a estamos a viver e que há sinais de recuperação».

«Quando esta situação passar vamos conhecer um novo Mundo e tenho esperança que seja um Mundo mais equilibrado», concluiu.

As acções do banco fecharam a cair 0,92% para os 0,64 euros.