Crescimento, sim, não superior àquele que se verificou nos três meses. Os economistas do ISEG antecipam, na síntese de conjuntura de março que a TVI24 revela em primeira mão, que a economia poderá expandir-se até 2,4% no primeiro trimestre de 2018. 

Para tal concorre ainda o facto de no ano anterior o crescimento homólogo ter sido mais forte na primeira metade do ano, o que torna mais difícil que se verifiquem crescimentos elevados na primeira metade do corrente ano.”

Recorde-se que a previsão do Governo para o conjunto de todo o ano é de uma subida de 2,2% do PIB. 

Neste mês de março, há uma ligeira descida do indicador global de atividade, “mas ainda em níveis elevados”, como se pode ver pelo gráfico no vídeo, em cima.

A confiança dos consumidores, por exemplo, subiu em fevereiro e está próxima de valores mais altos em mais de uma década registados no ano passado.

Estabilidade na produção industrial, sendo que os economistas destacam a escalada da produção automóvel, que disparou 105% em janeiro e fevereiro.

As vendas ligeiros de passageiros também estão a crescer (+4%), valor que economistas dizem que “subestima a procura real”, num contexto de problemas com a emissão de novas matrículas.

No setor da construção, as vendas de cimento, que muito se destacaram ao longo do ano passado, neste início de 2018 estão “ainda em ritmo de crescimento relativamente elevado”: cresceram 8% em fevereiro.

Consideradas motor da economia, as exportações estão a crescer menos do que as importações, pelo menos as de bens (9,6% vs. 12,4% em janeiro). Apesar de, nos serviços, esta relação ser ao contrário (exportações cresceram mais – 7,2% - do que as importações – 4,1%), há um agravamento da balança comercial.

Ainda estamos muito no início do ano. Continuaremos a medir o pulso à economia mês a mês.