O novo filme do Winnie The Pooh - o "Ursinho Puff" - foi proibido na China, sem que as autoridades do país tenham apresentado qualquer razão oficial pela recusa. Ainda assim, já foram tomadas várias medidas face à nova fita de Christopher Robin.

O governo chinês terá mandado bloquear imagens de Winnie the Pooh - conhecido na China, segundo maior mercado mundial da indústria cinematográfica, por "Pequeno Urso Winnie" - depois de terem surgido publicações na internet que o assemelhavam ao presidente do país, Xi Jinping, sendo sabido que o Partido Comunista não admite atitudes que denigram a imagem do seu líder.

Cathleen Taff, responsável pela distribuição da Disney, limitou-se a descrever o projeto como “um dos nossos mais pequenos filmes”, mas confirmou que foi negada a sua transmissão na China. Apesar da rejeição, Cathleen diz que a companhia está “feliz com os locais onde vai ser exibido [o filme]”, realçando tratar-se de “uma das únicas opções familiares que avança” este verão.

Semelhanças anteriores

As montagens comparando o pequeno urso e o presidente chinês voltaram agora, com o lançamento do novo filme da Disney, mas têm antecedentes. Em 2013, foi divulgada uma fotografia de Xi Jinping como o então presidente norte-americano, Barack Obama , a par de outra imagem de Winnie The Pooh com o amigo Tigger.

Depois, no ano seguinte, foi a vez de surgir uma representação que junta uma fotografia do primeiro ministro japonês Shinzo Abe a apertar a mão de Xi Jinping com uma imagem de Eeyore a repetir o gesto com o amigo "Ursinho Puff".

Agora, no passado mês de julho, o canal de televisão norte-americano HBO, acessível por subscrição, foi bloqueado na China, após o apresentador John Oliver ter dado destaque às "brincadeiras" que comparam o presidente chinês com o urso Winnie The Pooh e ter feito piadas com a sensibilidade de Xi Jinping perante a situação.

Sem explicação oficial para a proibição do novo filme da Disney, sucede que a China só permite a exibição anual de 34 filmes estrangeiros no país.