A cineasta portuguesa Sara Eustáquio, que se estreou este ano no cinema aos 16 anos, anunciou esta quinta-feira que está a começar a preparar a terceira curta-metragem, intitulada "Neverland".

A jovem realizadora de Torres Vedras informou que "tem já em fase de pré-produção mais uma curta-metragem", cujas filmagens tenciona "começar em dezembro na região Oeste".

Sara Eustáquio adiantou que a produção, intitulada "Neverland", vai ter cerca de 20 minutos e conta com a participação da atriz moldava Cristina Caldarau, que se estreou consigo em "4242".

Sara Eustáquio anunciou ainda que foi distinguida com o prémio de mérito, na categoria profissional, no festival BestShorts competition in Los Angeles, nos Estados Unidos da América. Trata-se do segundo prémio obtido com a curta-metragem "Mirror", que lançou no início deste mês.

"Mirror é uma ficção, um 'thriller' e conta a história de uma rapariga que, sob efeitos de uma substância, acaba por ficar com a sua imagem presa no espelho e refletida na sua vida, por isso tudo o que acontece na ficção acontece também na realidade", disse Sara Eustáquio à agência Lusa

A curta-metragem de três minutos foi produzida durante um curso de realização, que frequentou em agosto na New York Film Academy, e tem como protagonista a atriz canadiana Jaimie Marchuk, com quem se cruzou nessa formação.

Mas foi com a curta-metragem "4242" que Sara Eustáquio se estreou em abril no cinema, ao lado de Cristina Caldarau, enquanto protagonista do filme.

"4242" é inspirado na experiência da protagonista, a aluna romena Cristina Caldararu, de 18 anos, da mesma escola de Eustáquio, a Secundária Henriques Nogueira, em Torres Vedras.

Residente em Portugal desde 2015, longe da família, para terminar o ensino secundário, com a expetativa de assim poder entrar mais facilmente numa universidade, Cristina Caldararu teve de aprender português em tempo recorde, adaptar-se ao país e criar novos laços.

Colega de turma da Sara Eustáquio, Caldararu escreveu sobre a sua experiência, para um trabalho escolar, e esse texto depressa se tornou no ponto de partida da curta-metragem.

"4242" já lhe valeu 17 prémios em festivais internacionais.