"Mirror", espelho, em tradução para Português, é a segunda curta-metragem de Sara Eustáquio. Tem 16 anos, é de Torres Vedras, no distrito de Lisboa, e acaba de receber mais cinco novos prémios por "4242", o seu primeiro filme que soma 12 distinções em festivais internacionais.

Mirror é uma ficção, um 'thriller' e conta a história de uma rapariga que, sob efeitos de uma substância, acaba por ficar com a sua imagem presa no espelho e refletida na sua vida, por isso tudo o que acontece na ficção acontece também na realidade", disse a jovem cinesta à Agência LUSA.

A curta-metragem de três minutos foi produzida durante um curso de realização na New York Film Academy e tem como protagonista a atriz canadiana Jaimie Marchuk, com quem se cruzou nessa formação.

Dúzia de prémios para "4242"

A adolescente de Torres Vedras, que se estreou em abril no cinema com a curta-metragem "4242", quer candidatar o novo filme a festivais internacionais, à semelhança do que sucedeu com o primeiro. Até ao momento, a sua primeira curta-metragem arrecadou 12 prémios.

Em Toronto, o Canadian Diversity Film Festival atribuiu-lhe o prémio Best Cinema of Europe, enquanto em Ottawa, também no Canadá, o Creation International Film Festival distinguiu "4242" como o "melhor filme realizado por um estudante".

Nos Estados Unidos, foi distinguida três vezes com o prémio de "melhor cineasta com menos de 18 anos", no Chandler International Film Festival, no Arizona, no Hollywood Boulevard Film Festival e no Los Angeles Independent Film Festival Awards.

Na semana passada, "4242" arrecadou outros quatro prémios no Christian Film Festival, na Virgínia, Estados Unidos da América (Melhor Filme realizado por um estudante, Melhor filme estrangeiro, Melhor Atriz Adolescente- atribuído à atriz moldava Cristina Caldararu - e Melhor Produtor, que distinguiu Victor Eustáquio, o produtor e pai da realizadora de Torres Vedras).

Da Roménia para Torres Vedras

O filme "4242" é inspirado na experiência da aluna romena Cristina Caldararu, de 18 anos, protagonista e colega na mesma escola de Sara Eustáquio, a Secundária Henriques Nogueira, em Torres Vedras.

Residente em Portugal desde 2015, para terminar o ensino secundário, a jovem Cristina Caldararu vive longe da família com a expectativa de assim poder entrar mais facilmente numa universidade. Para tal, teve de aprender português em tempo recorde, adaptar-se ao país e criar novos laços.

Colega de turma da Sara Eustáquio, a jovem romena escreveu sobre a sua experiência para um trabalho escolar. O texto foi o ponto de partida para o argumento da curta-metragem.

FYC // MAG