A curta-metragem “4242”, de Sara Eustáquio, 16 anos, sobre o processo de adaptação de uma imigrante, recebeu o prémio de mérito, o segundo mais importante, nos IndieFest Film Awards, em Los Angeles, EUA, somando a terceira distinção internacional.

O trabalho da jovem de Torres Vedras já tinha conquistado uma menção especial de mérito do júri no BestShorts Competition, igualmente na Califórnia, e o prémio revelação no Festival Near Nazareth, em Israel. Na quinta-feira foi anunciada a nova distinção pelo festival norte-americano.

A 'curta', que também já foi selecionada para o Josiah Media Festival, que se realiza em outubro, no Texas, inspira-se na experiência da protagonista, a aluna romena Cristina Caldararu, de 18 anos, da mesma escola de Eustáquio, a Secundária Henriques Nogueira, em Torres Vedras.

Residente em Portugal desde 2015, longe da família, para terminar o ensino secundário, com a expectativa de assim poder entrar mais facilmente numa universidade, Cristina Caldararu teve de aprender português em tempo recorde, adaptar-se ao país, criar novos laços.

Colega de turma da Sara Eustáquio, Caldararu escreveu sobre a sua experiência, para um trabalho escolar, e esse texto depressa se tornou no ponto de partida da curta-metragem.

No final deste mês, “4242” vai ser exibida pela primeira vez em Portugal no FARCUME, Festival de Curtas-Metragens de Faro, no qual está igualmente a concurso.

Sara Eustáquio prepara agora uma nova curta-metragem, desta vez rodada em Nova Iorque, cidade onde esteve nas últimas semanas a frequentar um curso intensivo de realização cinematográfica na New York Film Academy.