A canção de Lisboa”, comédia de Pedro Varela baseada no original de Cottinelli Telmo, já foi vista por 113.259 pessoas desde a estreia a 14 de julho, segundo dados revelados, esta terça-feira, pelo Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA).

O total de espectadores equivale a uma receita bruta de 572.260 euros, o que, para Pedro Varela são resultados “muito saudáveis” tanto para o filme como para o cinema português.

“Este é um verão de concorrência muito forte nas salas de cinema e nós estamos a aguentar-nos muito bem”, disse o realizador, acrescentando que “as reações não podiam ser melhores”.

O filme “faz rir, faz chorar e, sobretudo, passa uma mensagem muito feliz”, referiu, acrescentando esperar que agosto seja, igualmente, um mês "muito bom” para o filme.

Com argumento de Pedro Varela, sobre o original de Cottinelli Telmo, "A canção de Lisboa" é o terceiro e último filme da trilogia composta por "O pátio das cantigas" e "O leão da Estrela", de homenagem à comédia que se fazia no cinema português há mais de meio século.

O filme é produzido por Leonel Vieira, que também dirigiu as duas primeiras longa-metragens.

“O Pátio das Cantigas” foi visto por 607.608 espectadores, gerando uma receita bruta de 3.098.344 euros, e “O Leão da Estrela” foi visto por 198.082 pessoas, o que correspondeu a uma receita bruta de 1.014.413 euros.

"A canção de Lisboa" segue a estrutura, personagens e enredo do filme homónimo, de Cottinelli Telmo, de 1933, com Vasco Santana, Beatriz Costa e António Silva, centrado no estudante de medicina Vasco Leitão, que vive da mesada das tias ricas de Trás-os-Montes, mas que se redime, no final.

No elenco da comédia de Pedro Varela estão César Mourão, Miguel Guilherme, Luana Martau, Marcus Majella, Maria Vieira, São José Lapa, Carla Vasconcelos, Dinarte de Freitas, Dmitry Bogomolov e Ruy de Carvalho.

Alguns destes atores já tinham participado nos dois filmes de Leonel Vieira.

Pedro Varela, que dirigiu esta versão de "A canção de Lisboa", realizou igualmente a série "Os Filhos do Rock", para televisão, assim como os dramas e mini-séries "Tempo Final", "Hora Marcada", "Vida dupla", as curtas-metragens "Anestesia" e "Toti", e o vídeo "We Stay Up All Night", dos Buraka Som Sistema, entre outras obras, recorda a Lusa.