A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, mais conhecida pela sua cerimónia de entrega de prémios (Óscares), emitiu um pedido de desculpas público devido a uma piada “racista” feita pelo apresentador da cerimónia deste ano, Chris Rock.

Um conjunto de personalidades asiáticas enviou uma carta aberta à Academia onde lamentam que, depois da polémica em relação à falta de atores negros entre os nomeados aos prémios, durante a cerimónia o apresentador tenha feito uma piada para com outra raça.

A carta foi assinada por um grupo de personalidades onde se incluem o realizador Ang Lee, o ator George Takei e atriz Sandra Oh, e refere-se a uma piada de Chris Rock que tinha intenção de, justamente, criticar a polémica do racismo em volta da cerimónia.

Chris Rock disse que os resultados dos prémios eram calculados por trabalhadores da empresa PricewaterhouseCoopers (PwC), e chamou ao palco “três dos melhores e mais dedicados” representantes da firma. Ao palco subiram três crianças asiáticas, de fato e pasta na mão.

         

Devido à disseminação da hastag #OscarsSoWhite (Óscares tão brancos, em tradução livre), Chris Rock ainda acrescentou que se alguém quisesse partilhar “alguma coisa sobre aquela piada” nas redes sociais devia lembrar-se antes que o “seus telemóveis foram feitos pelos mesmo três miúdos”.

Na missiva o grupo de personalidades queixa-se que o momento explorou uma versão estereotipada dos asiáticos, ao deixar subentendido que os asiáticos são inteligentes, estudiosos e bons em cálculos.

“Depois das críticas geradas pelo #OscarsSoWhite, pensámos que o programa deste ano fosse usado como uma oportunidade de mostrar [que a Academia] consegue dar um exemplo de inclusão e diversidade. Em vez disso, a cerimónia dos Óscares fica marcada por uma [imagem estereotipada] dos asiáticos”.

Segundo a CNN, na resposta à carta, a porta-voz da Academia disse compreender “as preocupações expressas, e lamenta que qualquer parte da cerimónia tenha sido ofensiva”. A Academia vai tentar ser “culturalmente mais sensível” no futuro.