Foi a classificar como "lírios brancos" os Óscares 2016 numa publicação no Instagram, que Spikee Lee levantou a discussão sobre a falta de atores de raça negra entre os nomeados. O realizador é o homenageado da edição deste ano, mas, além de confirmar que não vai comparecer, convoca um boicote à cerimónia de entrega dos prémios.

Jada Pinkett Smith também não vai à gala. A atriz divulgou um vídeo no Facebook, esta segunda-feira, data do aniversário de Martin Luther King, onde também apela ao boicote: "Nós somos dignos e poderosos".
 
 

We must stand in our power.

Publicado por Jada Pinkett Smith em  Segunda, 18 de janeiro de 2016

Logo depois do anúncio dos nomeados, a hashtag #OscarsSoWhite, criada para a edição do ano passado, que também não teve nenhum ator de raça negra entre os indicados, reapareceu entre as mais comentadas nas redes sociais. As manifestações de apoio ao boicote crescem, tanto de envolvidos no mundo do cinema quanto de pessoas comuns.

 
A polémica é tanta que a presidente da Academia teve que se pronunciar. Em comunicado, Cheryl Boone Isaacs diz que "é uma conversa difícil, mas importante, e é a hora de grandes mudanças".

 
Entre as inúmeras manifestações, permanece o mistério: o apresentador da cerimónia, Chris Rock, também ele negro, vai mesmo comparecer? Logo depois das nomeações, o comediante brincou, em tom de crítica: "Óscares. Os BET Awards brancos". A referência é ao prémio criado pela Black Entertainment Television para homenagear artistas afroamericanos.

 
O apoio dos seguidores de Chris Rock foi imediato, mas a imprensa norte-americana avança que o comediante deverá estar presente na cerimónia dia 28 de fevereiro. E que inclusive já estaria a preparar muitas piadas irónicas para fazer durante a apresentação.