A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas divulgou os nomeados para os Óscares esta terça-feira e depois de lidos os muitos nomes anunciados, um facto saltou à vista: há mais mulheres nomeadas em categorias que têm sido dominadas por homens. Mais, há uma categoria em que se fez história: pela primeira vez em 90 edições há uma mulher nomeada para Melhor Direção de Fotografia. De resto, este ano igualou-se o recorde estabelecido em 2016: 40 mulheres foram nomeadas em diferentes categorias. 

Rachel Morrison, de 39 anos, tornou-se este ano a primeira mulher a ser nomeada para Melhor Direção de Fotografia, pelo filme "Mudbound - As Lamas do Mississípi". Até aqui, esta era a única categoria que, em 90 anos, nunca tinha nomeado uma mulher.

A diretora de fotografia, que já trabalhou em filmes como “Cake: Um Sopro de Vida”, "The Harvest" ou "Pequenos Acidentes", concorre contra quatro homens: o veterano Roger Deakins ("Blade Runner 2049"), que soma a 14.ª nomeação, Dan Laustsen ("A Forma da Água"), Hoyte van Hoytema ("Dunkirk") e Bruno Delbonnel ("A Hora Mais Negra").

E ainda que Morrison não venha a ganhar a estatueta dourada, ter o seu nome inscrito entre os nomeados já é, por si só, um feito histórico.

Num ano que tem sido profundamente marcado pelos movimentos contra o assédio sexual e pela defesa da igualdade de género (Time's Up, MeToo), as presenças femininas foram o grande destaque das nomeações para os Óscares. Falamos das mulheres que surgiram em categorias onde raramente são nomeadas.

Exemplo disso é o caso de Greta Gerwig que, este ano, tornou-se a quinta mulher a ser nomeada para Melhor Realização com "Lady Bird". O filme, que foi a estreia de Gerwig, que também é atriz, como realizadora, também lhe valeu a nomeação para Melhor Argumento Original.

A categoria de Melhor Argumento Original é outra para a qual vale a pena olhar com atenção: é que aqui há outras duas mulheres nomeadas, além de Gerwig - Emily V. Gordon, pelo trabalho conjunto com o marido, Kumail Nanjiani, em "The Big Sick", e Vanessa Taylor, que escreveu “A Forma da Água” com Guillermo del Toro.

Importa ainda destacar a categoria de Melhor Filme de Animação, onde surgem três mulheres: Nora Twomey, pelo trabalho com Anthony Lee em "The Breadwinner", Darla K. Anderson, pelo trabalho com Lee Unkrisch, em "Coco", e Dorota Kobiela pelo trabalhado com Hugh Welchman e Ivan Mactaggart em "Loving Vincent". 

Por tudo isto, e apesar de algumas omissões onde "Wonder Woman" parece se o caso mais flagrante, a imprensa norte-americana não tem dúvidas: terça-feira foi um bom dia para as mulheres de Hollywood.