A investigação de uma das mortes mais misteriosas de Hollywood foi de novo reaberta. A decisão foi tomada pelo departamento do xerife de Los Angeles, nos Estados Unidos da América, nesta quinta-feira. O ator Robert Wagner foi considerado uma “pessoa de interesse” no caso da morte da sua mulher, Natalie Wood, há 37 anos.

Eu acho que ele é uma pessoa de interesse. Quer dizer, nós sabemos que ele foi a última pessoa a estar com ela antes de ela desaparecer”, afirmou o tenente John Corina em entrevista à CBS, para o documentário “Natalie Wood: Death in Dark Waters”.

Natalie Wood, na altura com 43 anos, estava com Robert Wagner, agora com 87 anos, e o amigo do seu marido e também ator Christopher Walken no iate Splendor, ancorado na ilha de Santa Catalina. Com eles estava também o capitão do navio, Dennis Davern, no fim de semana de celebração do Dia de Ação de Graças, a 29 de novembro de 1981.

A atriz terá caído ao mar durante a noite, sendo que o seu corpo deu à costa no dia seguinte. As circunstâncias do incidente nunca foram totalmente esclarecidas.

Não é a primeira vez que este processo é reaberto. Como conta a imprensa norte-americana, a morte da atriz norte-americana foi, inicialmente, justificada como um acidente. Contudo, sempre permaneceu a dúvida de que o marido e o amigo sabiam mais do que aquilo que diziam. A própria polícia deixou sempre em aberto essa possibilidade.

Christopher Walker, de 71 anos, falou apenas uma vez sobre a morte da atriz, numa entrevista em 1997. O também ator declarou que Natalie deverá ter tropeçado e caído, batendo com a cabeça. De acordo com o El País, ela sempre teve medo de água, pelo que nem sabia nadar.

Numa autobiografia publicada em 2008, Robert Wagner contou que teve uma discussão com Natalie provocada por ciúmes. Contudo, assegura que foi de seguida para o quarto e, quando acordou de manhã, a mulher já não estava lá.

Em 2011, e na sequência de novas informações, o caso foi de novo investigado. O capitão do navio decidiu contar a sua versão dos factos, afirmando que o casal teve uma acesa discussão naquela noite, antes de Natalie ter caído ao mar.

Passado um ano e meio de investigação, novas evidências vieram ao de cima: o relatório forense revelou que o corpo da atriz estava coberto de contusões e arranhões. Apesar de Robert Wood continuar a ser considerado inocente, a causa de morte passou de acidental para desconhecida.

Só agora, quase quatro décadas depois, é que o caso está aberto para investigação, com Wood como pessoa de interesse. Como adianta a imprensa, o ator tem recusado sempre qualquer tentativa de conversa por parte dos investigadores.

As autoridades ressalvam que o facto de Robert Wood ter sido considerado uma pessoa de interesse não quer dizer que esteja acusado do crime de homicídio de Natalie. Quer dizer, sim, que é uma peça importante na investigação levada a cabo pela polícia.

Natalie Wood protagonizou filmes como Amor Sem Barreiras (West Side Story, 1961), Fúria de Viver (Rebel Without a Cause, 1955) e Esplendor na Relva (Splendor in the Grass, 1961), sendo na altura uma das grandes estrelas de Hollywood.