Mais de seis meses depois da morte de Carrie Fisher, a autópsia à morte da atriz de Star Wars foi finalmente divulgada, de forma oficial, pelo condado de Los Angeles, Estados Unidos.

O condado norte-americano informou, esta sexta-feira, que a apneia do sono, uma doença que causa obstrução das vias respiratórias durante o sono, terá sido a principal causa da morte. A doença terá sido agravada pela conjugação de outros fatores, como o passado da atriz marcado pelo consumo de drogas.

Os médicos legistas sublinharam, no entanto, que não é possível determinar, de forma conclusiva, qual foi a causa da morte de Carrie Fisher.

Em janeiro, a Associated Press teve acesso à certidão de óbito da atriz, que indicava que Fisher tinha sofrido uma “paragem cardiorrespiratória”. O documento vincava, porém, que os médicos legistas precisavam de mais análises.

Carrie Fisher sentiu-se mal durante um voo que fazia a ligação entre Londres e Los Angeles, a 23 de dezembro. Foi hospitalizada, mas acabou por morrer alguns dias depois, a 27 de dezembro.

Apenas um dia depois da morte da Princesa Leia de "Star Wars", a mãe da atriz teve de ser internada, na sequência de um AVC. Debbie Reynolds morreu no hospital, aos 84 anos.