Uma Thurman quebrou, por fim, o silêncio em relação às acusações de assédio sexual que recaem sobre Harvey Weinstein, que produziu vários filmes protagonizados pela musa de Quentin Tarantino. Numa entrevista ao The New York Times, a atriz revelou que também ela foi vítima de assédio sexual por parte do produtor.

A tentativa de assédio aconteceu, segundo Thurman, num quarto de hotel em Londres, após a estreia de “Pulp Fiction”, filme de Tarantino protagonizado pela atriz e produzido e distribuído pela Miramax, empresa de Weinstein.

Ele empurrou-me para baixo. Tentou agarrar-se a mim, tentou expor-se. Ele fez todo o tipo de coisas desagradáveis. Mas, na verdade, ele não me forçou a nada. Eu era como um animal a contorcer-me para sair dali. Como uma lagartixa”, descreveu.

No dia seguinte, Thurman voltou ao hotel com uma amiga para confrontar o produtor sobre o que tinha acontecido. Apesar de ter pedido a Weinstein que se encontrasse com ela no bar do hotel, os assistentes do produtor convenceram-na a subir sozinha ao quarto.

Lá, Thurman disse ter deixado um sério aviso ao empresário: “Eu prometo que se fizeres a outras pessoas o que me fizeste a mim, vais perder a tua carreira, a tua reputação e a tua família”.

A atriz diz que não se recorda do que aconteceu depois. A amiga, que a esperava na entrada do hotel, garante que Thurman estava “fora de si” e que Weinstein tinha ameaçado acabar com a sua carreira.

Entretanto, um porta-voz do produtor já veio admitir que este possa ter seduzido a atriz, mas negou qualquer ameaça à sua carreira, afimando que, para Weinstein, Thurman é uma "atriz brilhante".

Mas as revelações da estrela de Kill Bill não ficaram por aqui. De acordo com a atriz, esta tentativa de assédio aconteceu depois de, num encontro de trabalho num hotel em Paris, Weinstein ter surgido apenas de robe.

Não me senti ameaçada. Achei que ele estava a ser super idiossincrático, como um tio tímido e excêntrico”, explicou.

Só que depois, tudo ficou ainda mais estranho quando o produtor a convidou para o seguir até uma sauna.

E lá estava eu, completamente vestida, de calças, casaco e botas. Estava tanto calor que lhe perguntei: ‘isto é ridículo, o que estás a fazer?’. E ele ficou muito frustrado e saiu dali”, contou.

Esta é a primeira vez que Uma Thurman se pronuncia sobre o escândalo que envolve Harvey Weinstein, acusado por diversas mulheres de Hollywood de assédio sexual. Thurman, que trabalhou diretamente com o produtor, tinha afirmado que só ia falar quando se sentisse preparada. 

Além de acusar o produtor de assédio sexual, nesta entrevista ao The New York Times, publicada no sábado, a atriz também responsabilizou os seus representantes, a Creative Artists Agency, de terem sido coniventes com o comportamento predatório de Weinstein.