Harvey Weinstein, um dos produtores mais conhecidos e influentes de Hollywood, foi obrigado a abandonar no domingo a empresa de cinema independente que fundou devido a assédios sexuais que supostamente levou a cabo durante décadas.

O conselho de administração da Weinstein decidiu retirar o produtor da empresa, deixando o controlo do estúdio nas mãos do seu irmão, Bob Weinstein, e do diretor de operações David Glasser, de acordo com um comunicado divulgado no domingo.

Face ao surgimento, nos últimos dias, de novas informações relativas à má conduta de Harvey Weinstein, os diretores da The Weinstein Company – Robert Weinstein, Lance Maerov, Richard Koenigsberg e Tarak Ben Ammar – decidiram rescindir com Harvey Weinstein”, indicou a mesma nota, acrescentando que a decisão foi entretanto comunicada ao visado e produz efeitos imediatos.

A carreira de Weinstein foi abalada por um devastador artigo do jornal The New York Times segundo o qual o produtor alcançou, durante décadas, uma série de acordos extrajudiciais para pôr termo a denúncias de assédio sexual apresentadas por antigas funcionárias e colaboradoras.

Entre elas figuram acusações de abusos sexuais por parte da atriz Ashley Judd, conhecida pelo filme "Frida" ou pela saga "Divergente".

As acusações remontam à década de 1990, altura em que Weinstein estava à frente da produtora Miramax, um estúdio de cinema independente que era propriedade do gigante cinematográfico Walt Disney Co.