A longa-metragem “Te Prometo Anarquía”, de Julio Hernández Cordón, venceu o prémio de Melhor Filme da segunda edição do Festival Internacional de Cinema Queer Porto, que termina no domingo, foi anunciado este sábado.

Para o júri da competição oficial do festival composto por Júlio Dolbeth (artista, ilustrador, professor), Tom Kalin (cineasta norte-americano) e Sandra Lopes (produtora da RTP), “Te Prometo Anarquía” é um filme “belo de uma grande vitalidade e naturalismo, apesar de abordar um assunto difícil – miúdos de rua que sobrevivem ao vender plasma sanguíneo –, mas fá-lo com um toque leve”.

O filme evita clichés sobre a sexualidade na adolescência e capta uma visão fresca e moderna da variedade de expressões sexuais e é engrandecido por uma câmara intimista e arrojada". A utilização da música é surpreendente e entrelaça várias referências culturais numa voz mexicana”, referem os elementos do júri, num comunicado hoje divulgado pela organização do festival, dedicado à temática gay, lésbica, bissexual, transgénero e transexual.

O prémio de Melhor Filme tem o valor de três mil euros, atribuído pela RTP2, pela compra dos direitos de exibição do filme neste canal.

O júri atribuiu ainda o prémio de Melhor Curta-Metragem de Escola da Competição ‘In My Shorts’ a “Viagem”, de José Magro. O realizador irá receber um prémio não-monetário, sob a forma de equipamento vídeo e/ou serviços”.

Para o júri, esta curta “capta um mundo nitidamente português sem mostrar o que já se sabia”.

Esta curta-metragem manteve-se na memória depois de vista. A interpretação central de Alex é poderosa, repleta de subtextos e de momentos verdadeiros”, considerou o júri.

O Prémio do Público foi atribuído a “La Vanité”, de Lionel Baier.

A segunda edição do Queer Porto, a decorrer primordialmente no Rivoli, começou na quarta-feira e termina no domingo. Da programação deste ano fazem parte 30 filmes de 15 países.