O filme "Gipsofila", da realizadora Margarida Leitão, foi distinguido no fim-de-semana no Festival de Cinema de Turim, em Itália, revelou a organização.

O documentário recebeu o prémio especial do júri, que elogiou a abordagem minimalista e a forma como Margarida Leitão, através de uma história pessoal, descreve "os momentos intensos de alegria e tristeza na vida das mulheres".

Em "Gipsopia", exibido este ano no IndieLisboa, Margarida Leitão pegou na câmara de filmar e registou vários momentos de convivência e conversa com a avó, de quase 90 anos, num apartamento de onde raramente sai.

Margarida Leitão, 39 anos, é autora de outros documentários, entre os quais "Muitos Dias Tem um Mês" e "Cara a Cara".

O 33º Festival de Cinema de Turim, que terminou no sábado, integrou vários filmes portugueses: "John From", de João Nicolau, "Rabo de Peixe", de Joaquim Pinto e Nuno Leonel, a curta-metragem "O nome dela", de Pedro Lino, e o filme coletivo "Aqui, em Lisboa", feito por Denis Côté, Dominga Sotomayor, Gabriel Abrantes e Marie Losier.