O documentário "Mar de Sines", dedicado aos pescadores do concelho da Costa Alentejana, um projeto municipal com realização de Diogo Vilhena, venceu o prémio de "Melhor Filme Etnográfico", no Festival Internacional do Filme Etnográfico do Recife, no Brasil.

O filme retrata com grande sensibilidade, com belas fotografias e rigor técnico as transformações sociais e económicas de uma comunidade portuguesa, a cidade de Sines", pode ler-se no site oficial do festival, em que foram divulgadas as produções vencedoras, entre as dezasseis selecionadas de mais de 60 filmes candidatados de vários países.

Em "Mar de Sines" são reveladas "com detalhes as dificuldades dos pescadores locais, através da riqueza dos seus depoimentos", escrevem ainda os promotores do festival, que decorreu entre terça e sexta-feira, em Recife, no Brasil.

O filme já foi selecionado em alguns festivais, mas este é o primeiro prémio que recebe", disse, em declarações à agência Lusa Diogo Vilhena, que se estreou nas longas-metragens com este documentário.

Para o realizador, que ficou "comovido" com a distinção, o galardão representa "um carimbo de qualidade", ainda com mais significado por ser numa "categoria especializada em etnografia".

O propósito do filme foi sempre registar o retrato de uma última geração que existe ligada ao mar e que vive o mar de uma forma tradicional, nunca foi um projeto assumidamente etnográfico, no entanto é bom ter esse reconhecimento porque percebe-se que os fundamentos são os mesmos", destacou.

Com produção e assistência de realização de António Campos e banda sonora original de Charlie Mancini, com a participação de músicos da região, o filme reúne "testemunhos de três gerações de pescadores" que fazem "uma pesca baseada nas artes tradicionais e no respeito pelos recursos".

"Mar de Sines", uma longa-metragem de 71 minutos, que resultou de mais de 100 entrevistas e de 250 horas de gravações e envolveu mais de duas mil pessoas nos processos de rodagem e de pós-produção, é um projeto do município de Sines, que representou um investimento de 41,4 mil euros, cofinanciado em 75% pelo Programa Operacional Pesca 2007-2013 (PROMAR).

Foram ainda premiados no Festival do Filme Etnográfico do Recife como "Melhor Documentário" o filme "Baile para Matar Saudades" e, distinguidos com "Menções Honrosas do Júri", os filmes "Tempo do Dashicô" e "Aquamazônida", sendo ainda considerado o "Melhor Filme Júri Popular" a curta-metragem "Mulheres (es)pelhos", todos produções brasileiras.

Em Portugal, "Mar de Sines" vai ser exibido em Évora, a 30 de setembro, na primeira edição do "Heritales: Heritage International Film Festival", promovido no âmbito da celebração dos 30 anos da classificação da cidade como Património Cultural da Humanidade pela UNESCO.

Em outubro, o filme participa no Festival Internacional de Cinema Etnográfico (CINANTROP), que decorre na Ásia e em Portugal, e será ainda exibido no Ekofilm, na República Checa.