A 11 de agosto de 2014, o mundo soube da morte de Robin Williams, o ator versátil de «Clube dos poetas mortos», «Hook» ou «Mrs Doubtfire», que ganhou um Óscar e foi nomeado mais três vezes.

A gargalhada fácil por que todos o recordam esconderia, afinal, conflitos interiores. Depressão e ansiedade a que se juntaram os primeiros sintomas da doença de Parkinson, segundo foi avançado na altura, e que levaram ao suicídio.
Agora, mais de um ano depois, a viúva, Susan Williams, disse, numa entrevista ao canal de televisão americano ABC, na terça-feira, que não “ficou magoada” com o marido por ele ter acabado com a vida.

Susan, na primeira entrevista após a morte de Robin Williams, revelou que o ator tinha sido diagnosticado com demência.

“Se o Robin tivesse sorte, ele poderia ter mais três anos de vida. E seriam anos difíceis. E havia uma forte possibilidade de ter de ser internado”.


Robin Williams suicidou-se aos 63 anos. Susan viveu sete anos com o ator. Tinham casado há três. Na entrevista ao programa Good Morning America, a viúva descreveu o ator como “o amor com que sempre sonhou”, uma relação baseada “no amor, no respeito e na lealdade”.

Susan Williams recordou à jornalista Amy Robach a última conversa que teve com o marido, na noite de 10 de agosto, véspera da sua morte. Robin ofereceu-lhe uma massagem nos pés. As últimas palavras que trocaram foram mesmo “boa noite”.

Na manhã seguinte, Susan disse ter saído para o trabalho sem falar com o marido, que ainda não tinha acordado, e pediu à empregada que lhe ligasse quando Robin se levantasse. Com um pressentimento e estranhando a ausência do telefonema, ligou para casa e pediu à empregada que fosse acordá-lo.

Robin não viria a acordar. Estava morto. Enforcado com um cinto.

Susan Williams afirmou que Robin nunca tinha falado em suicidar-se, mas o seu estado de saúde delicado pode tê-lo conduzido a esse fim. De acordo com a viúva, Robin Williams tinha sido diagnosticado com demência de Corpos de Lewy, com similaridades com o Alzheimer. A Demência de Corpos de Lewy é causada pela degeneração e morte das células nervosas do cérebro.

Susan admitiu que o suicídio foi a forma que Robin Williams encontrou para recuperar o controlo do seu corpo.