O cineasta português Pedro Costa ganhou uma menção especial para a fotografia do seu filme «Cavalo Dinheiro», na 29.ª edição do Festival Internacional de Cinema de Mar del Plata, que terminou no domingo à noite naquela localidade argentina.

Dos cinco filmes portugueses incluídos na programação, apenas «Cavalo Dinheiro» estava na competição internacional, cumprindo uma carreira por festivais estrangeiros iniciada em agosto, em Locarno, onde Pedro Costa conquistou o prémio de melhor realizador, nota a Lusa.

Esta nova longa-metragem do cineasta volta a ser protagonizada por Ventura, o cabo-verdiano que entrou em «Juventude em Marcha» e que Pedro Costa conheceu na rodagem de dois outros filmes no bairro das Fontainhas (já demolido), nos arredores de Lisboa: "Ossos" (1997) e "No quarto da Vanda" (2000).

O filme chega aos cinemas portugueses na próxima quinta-feira e, a partir de 2015, terá estreia comercial no Reino Unido, França, Bélgica, Japão e Estados Unidos, país que exibirá uma retrospetiva da obra de Pedro Costa.

De acordo com informação divulgada no site do certame, na competição internacional, o Astor de Ouro para o Melhor Filme foi para «Come to my Voice», uma coprodução da Turquia, França e Alemanha realizada por Hüseyin Karabey, e o Astor de Prata para o Melhor Realizador distinguiu o cineasta francês Mathieu Amalric, por «La Chambre Bleue».

Na categoria de Melhor Argumento, o Astor de Prata foi atribuído ao filme italiano «Le Meraviglie», de Alice Rohrwacher, ao passo que o Astor de Prata para o Melhor Ator premiou o sul-coreano Park Jungbum, pelo papel desempenhado em «Alive», que também realizou.

O júri do certame atribuiu o Astor de Prata para a Melhor Atriz a Negar Javaherian, por «Melbourne», de Nima Javidi (Irão).

Em Mar del Plata, a 400 quilómetros de Buenos Aires, foram ainda exibidas, na secção Panorama, as curtas-metragens «O velho do Restelo», de Manoel de Oliveira, que também se estreia nas salas de cinema portuguesas na próxima quinta-feira, «Os sonâmbulos», de Patrick Mendes, a animação «O gigante», de Luís da Matta Almeida e Julio Vanzeler, e «As figuras gravadas na faca com a seiva das bananeiras», de Joana Pimenta.