A atriz Maria Eugénia, de 89 anos, que participou em filmes como "A menina da rádio" e "O leão da Estrela", morreu esta quinta-feira em Lisboa, disse à Lusa o filho, o poeta Fernando Pinto do Amaral.

Maria Eugénia estreou-se como actriz, protagonizando "A menina da rádio" (1944), de Arthur Duarte, na qual contracenou entre outros com Maria Matos, António Silva, Curado Ribeiro e Maria Olguim. Encarnava o papel da "menina Geninha".

O sucesso da "nova estrela do cinema", como se lhe referiu a imprensa da época levou-a a voltar ao cinema, pela mão do mesmo realizador para participar em "O leão da Estrela" (1947), onde contracenou com António Silva, Milú, Erico Braga, Laura Alves e Óscar Acúrcio, entre outros. Maria Eugénia desempenha o papel de "Branca", a irmã meiga e boa que se incomoda com as fantasias de grandeza do pai e da irmã, papéis desempenhados respetivamente por António Silva e Milú.

Maria Eugénia, paralelamente desenvolveu uma carreira de cantora, tendo participado em vários programas radiofónicos, designadamente no popular "Serão para trabalhadores", da ex-Emissora Nacional.

Todavia a fotogenia e "naturalidade de desempenho" de Maria Eugénia, como escreveu jornal O Século, chamou a atenção em Espanha e em Itália.

Em Espanha participou em vários filmes, entre eles, "O hóspede do quarto n.º 13", uma coprodução luso-espanhola, e ainda "Los héroes del 95" (1947), de Raúl Afonso, "Cuándo los ángeles duermen" e "Conflicto inesperado", ambos de 1947 e de Ricardo Gascón.

Nestes dois últimos filmes contracenou, entre outros, com o ator Amedeo Nazzari (1907-1979) que levou a que o realizador Vittorio de Sica a convidasse para ir filmar a Itália. A atriz portuguesa recusou o convite.

Além do cinema e da rádio, a atriz participou também em várias peças de teatro, tanto em Espanha como em Portugal.

A atriz pôs fim a uma "fulgurante carreira", como noticiou a imprensa, quando se casou com o médico António Pinto do Amaral, de quem se divorciou anos mais tarde.

Em 2011 foi publicada a biografia "Maria Eugénia, A menina da rádio", de autoria de Rute Silva Correia.

António Pinto do Amaral disse à Lusa que a mãe morreu no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, mas não adiantou pormenores das exéquias, que "deverão realizar-se na sexta-feira ou no sábado".

Maria Eugénia Rodrigues Branco nasceu em Lisboa no dia 1 de abril de 1927.

O funeral realiza-se no domingo, em Lisboa, disse à agência Lusa fonte da família. O velório decorrerá a partir das 18:00 de sábado, na Basílica da Estrela, e o funeral realiza-se no domingo, a partir das 14:00, para o cemitério dos Prazeres, onde ficará sepultada no Talhão dos Artistas.