Uma jornalista da revista "Radio Times" acusou o ator Robert De Niro de abandonar uma entrevista a meio por achar que as perguntas eram incómodas. A jornalista afirmou que o astro de Hollywood, que está a promover a sua mais recente comédia no cinema, "The Intern", com Anne Hathaway, se mostrou "condescendente e deprimido.” 

Emma Brockes, assim se chama a jornalista da "Radio Times", escreveu que o ator respondeu com "tristeza" a algumas das perguntas que lhe fez, até que ela lhe perguntou como evita a tentação de ligar o “piloto automático" quando está a representar. E também quando lembrou ao ator que os banqueiros tomaram conta do bairro Tribeca, em Nova Iorque, onde De Niro cofundou o festival de cinema com o mesmo nome.

Depois disso, Robert De Niro pediu à jornalista para desligar o gravador.

"De repente, ele levanta-se da cadeira e começa com um episódio de loucura, dizendo que interrompia a entrevista porque estava cheia de “ilações negativas”, explicou Emma Brockes, citada pelo jornal britânico "The Guardian.”

“O quê? Por banqueiros? ", perguntou à jornalista o ator de 72 anos. "Toda a entrevista. Há ilações negativas (...) e eu não vou fazer isto, querida”, acrescentou De Niro.


De acordo com a jornalista, a troca de acusações continuou. Emma Brockes tentou esclarecer a natureza das perguntas que fez, mas vendo que Robert De Niro só olhava para a porta em busca de ajuda, chamou-lhe “condescendente”. 

“Você é muito condescendente", disse a jornalista ao ator. "Oh, você acha que dizer 'querida' é condescendente?", retorquiu ele. 

Emma Brockes confessou ao jornal britânico "The Independent" que foi para a entrevista a sentir simpatia por Robert De Niro, compreendendo que ele devia estar esgotado por responder às mesmas perguntas na ronda de entrevistas.

"Eu esperava que ele fosse mais objetivo, mas a combinação de hostilidade e condescendência irritou-me e eu perdi a calma", explicou Emma Brockes.