Gérard Depardieu foi acusado de violação e agressões sexuais por uma atriz de 20 anos, que apresentou queixa no passado dia 27, numa esquadra de polícia em Lambesc, perto de Aix-en-Provence, no sul de França.

Segundo o jornal Le Parisien, a jovem atriz acusou Depardieu de ter dela abusado por duas vezes, segundo a mesma, na casa parisiense do ator de 69 anos, nos dias 7 e 13 de agosto.

O processo transitou do sul de França para o Ministério Público em Paris, que tem uma investigação em curso.

A autora da denúncia, segundo o Le Parisien, conhecia Depardieu que era amigo do seu pai. O ator consagrado ter-se-á oferecido para a aconselhar no início de carreira e, segundo a mesma, tê-la-á violado à margem de um ensaio informal para uma peça.

Depardieu nega

Hervé Temime, advogado do ator de 69 anos, já negou ao Le Parisien que Depardieu tenha cometido qualquer ato de violação.

Foi apresentada uma queixa a 27 de agosto. No dia seguinte, fui interpelado por jornalistas. Condeno este tipo de publicidade. É um sério prejuízo para Gérard Depardieu, que nega absolutamente ter cometido a menor ofensa ou qualquer comportamento delituoso. Peço a maior cautela e a maior reserva, na medida em que estou convencido de que esta queixa não irá progredir a nível judicial", afirmou o advogado ao Le Parisien.

Também ao canal de rádio e televisão RTL, o advogado rebateu as acusações, falando do estado de espírito de Gérard Depardieu: "Ele nem está em si... É o oposto da sua personalidade e contesta absolutamente as acusações que lhe são feitas".

Começo nas ruas

Terceiro filho de um operário metalúrgico, com mais cinco irmãos, Depardieu fugiu de casa aos 12 anos e viveu nas ruas. Incentivado por uma assistente social, começou a representar no teatro aos 16 anos, tornando-se um dos mais consagrados atores franceses.

Com uma longa filmografia, Depardieu atuou em filmes como Cyrano de Bergerac, Jean de Florette, tendo mais recentemente protagonizado o papel de Obelix, nas adaptações ao écrã dos livros de banda desenhada de Goscinny e Uderzo, nos filmes "Obélix Contra César" e "Asterix & Obelix: Missão Cleópatra".

Galardoado com o César, prémio do cinema francês, pela sua prestação no filme "O último metro", de 1980 - que valeu iguais distinções ao realizador François Truffaut e à atriz Catherine Deneuve - Depardieu viria, em 2012, a renunciar formalmente à sua cidadania francesa, por discordâncias ideológicas com o governo socialista de François Hollande.

Em Janeiro do ano seguionte, foi-lhe atribuída a cidadania russa pelo presidente Vladimir Putin.