O sindicato de produtores de Hollywood (PGA, na sigla em inglês) iniciou na segunda-feira o processo de expulsão de Harvey Weinstein, após os vários casos de abuso e assédio sexual de que é acusado.

O assédio sexual de qualquer tipo é completamente inaceitável. Este é um problema sistémico e alargado que exige ações por parte de toda a indústria”, indicou a organização em comunicado.

O sindicato realizou uma reunião extraordinária em que o conselho de administração, composto por 20 mulheres e 18 homens, votou unanimemente a favor da expulsão de Harvey Weinstein, um dos produtores mais poderosos e influentes da indústria cinematográfica dos Estados Unidos.

No sábado, a Academia norte-americana de Cinema e Ciências Cinematográficas, que atribui os Óscares, anunciou que decidiu expulsar o produtor.

Também a Academia Britânica de Cinema e Televisão (BAFTA) já tinha anunciado a suspensão imediata da sua associação a Weinstein.

Tanto as autoridades norte-americanas como as britânicas vão investigar as acusações feitas ao produtor.

Segundo um artigo de investigação do jornal The New York Times, as queixas de assédio sexual remontam à década de 1990, sendo que Angelina Jolie e Gwyneth Paltrow estão entre as várias atrizes que têm revelado o escândalo.