Os filmes "A glória de fazer cinema em Portugal", de Manuel Mozos, e "O guardador", de Rodrigo Areias, fazem parte da competição internacional do Festival Internacional da Curta-Metragem de Clermont-Ferrand, que se inicia esta sexta-feira, em França.

"A glória de fazer cinema em Portugal" é uma ficção baseada em factos reais, a partir de uma carta que o escritor José Régio escreveu a Alberto Serpa, em 1929, na qual manifestou a vontade de fundar uma produtora de cinema.

O filme foi produzido pelo festival Curtas de Vila do Conde, passou no DocLisboa e foi premiado no Festival de Cinema Luso-Brasileiro de Santa Maria da Feira.

"O guardador", produzido, escrito e rodado por Rodrigo Areias, conta a história de Aurora e Constantino, um homem que guarda ovelhas de dia e um museu à noite.

De acordo com a Agência da Curta Metragem, o filme foi rodado na Serra da Estrela, com estudantes da Universidade da Beira Interior, e inspira-se em quatro livros: "Constantino guardador de vacas e de sonhos", de Alves Redol, "O guardador de rebanhos", de Alberto Caeiro, "O Capital", de Karl Marx, e "A lã e a neve", de Ferreira de Castro.

A 38.ª edição do festival de Clermont-Ferrand, um dos mais importantes dedicados à curta-metragem, decorrerá até 13 de fevereiro.

Em 2013 distinguiu o filme "Sizígia", do realizador Luís Urbano, com o prémio especial do júri.