O realizador francês Roman Polanski, que tem um mandato de detenção pendente nos Estados Unidos por um alegado caso de violação em 1977, foi detido na Polónia quando participava na inauguração do Museu Judeu, em Varsóvia, na Polónia.

Interrogado pelos procuradores polacos, o realizador acabou por ser libertado e ficou livre para viajar.

De acordo com a informação apurada pela France Presse, o crime de violação já prescreveu à luz da lei polaca, pelo que as autoridades daquele país não deram seguimento ao mandato de captura e extradição emitido pelos Estados Unidos.
Por seu turno, o realizador de «Pianista» e que assina a direção de outros 30 filmes, disse querer colaborar com as autoridades e, com isso, saiu em liberdade.

Roman Polanski, atualmente com 81 anos, foi detido pela primeira vez em 2009, na Suíça pelo alegado crime de violação, mas não foi extraditado e acabou por regressar ao seu país natal, a França.

O realizador que já recebeu inúmeros prémios, de um Oscar à Palma de Ouro – 80 prémios e 51 nomeações - é acusado pelas autoridades americanas de ter violado uma menina de 13 anos em 1977. Polanski lamentou o sucedido, mas não se entregou às autoridades.

A alegada vítima, atualmente com 51 anos, escreveu um livro sobre a sua vida na sombra de Roman Polanski.