William Friedkin foi o protagonista do segundo dia do 70º Festival de Cinema de Veneza. Na quinta-feira, o realizador de «O Exorcista» e «Os Incorruptíveis Contra a Droga» recebeu o Leão de Ouro, numa homenagem a uma carreira de quase 50 anos no cinema.

A distinção antecedeu a estreia da nova versão restaurada de «O Comboio do Medo», filme que Friedkin realizou em 1977. Segundo a revista «Variety», apesar de não ter tido sucesso comercial, este é um dos trabalhos mais aclamados do cineasta norte-americano.

Na conferência de imprensa em Veneza, Friedkin revelou que está a preparar «um western contemporâneo» com Tracy Letts, o argumentista do seu mais recente filme, «Killer Joe» (2011).

Questionado pelos jornalistas presentes sobre que conselhos daria aos aspirantes a realizadores de cinema, William Friedkin foi claro: «Ninguém vos pode ensinar a fazer cinema».

«Se andam na escola de cinema, saiam imediatamente! Vão para a rua, comprem uma pequena câmara, façam o vosso filme, editem-no em casa e ponham-no na Internet - façam tudo por vossa conta. E não se preocupem com as críticas, deixem simplesmente o público ver o vosso trabalho», afirmou o realizador de 77 anos.

William Friedkin venceu o Óscar para Melhor Realizador, em 1972, com «Os Incorruptíveis Contra a Droga», filme que lhe valeu prémio semelhante nos Globos de Ouro. Dois anos mais tarde, voltou a ganhar um Globo de Ouro na categoria de Melhor Realizador com «O Exorcista».

Ao segundo dia, o 70º Festival de Cinema de Veneza recebeu também a estreia de «Tracks», protagonizado por Mia Wasikowska, «Why Don't You Play In Hell», do japonês Sion Sono, e «Via Castellana Bandiera», da realizadora italiana Emma Dante.