O Porsche conduzido por Roger Rodas, amigo de Paul Walker, seguia a cerca de 150 km/h numa rua de Los Angeles quando se despistou e embateu num poste. O ator de «Velocidade Furiosa» e o amigo, Rodas, faleceram no local. Após o embate o carro incendiou-se. O relatório final das autoridades, revelado terça-feira, considera que a causa do acidente, que aconteceu a 30 de novembro de 2013, foi «excesso de velocidade», avança a Associated Press.

De acordo com a agência de notícias, as autoridades que investigaram o caso concluíram que «não houve falha mecânica» e que foi a «velocidade perigosa» que levou ao desenrolar dos factos. Na zona onde aconteceu a tragédia, o limite de velocidade é de 70 km/h, mas o carro seguia a cerca de 150 km/h. Num documento inicial, a Patrulha de Auto-estrada de Los Angeles, uma das entidades envolvidas na investigação, já avançava que Roger Rodas conduzia a uma velocidade entre os 130 e os 150 km/h.

Havia dúvidas se problemas mecânicos ou destroços de outro acidente podiam ter provocado o despiste. A própria Porsche enviou engenheiros a Los Angeles que fizeram uma perícia ao carro e, estes, concluíram que o carro não tinha qualquer problema.

A própria marca considerou que teria sido uma «condução perigosa» e causar o acidente e, através de um comunicado escrito, revelou subscrever as conclusões do relatório oficial das autoridades de Los Angeles. Incluindo a velocidade.

Algumas testemunhas tinham relatado às autoridades que viram o Porsche fazer alguns ziguezagues antes do despiste. Recorde-se ainda que as autópsias revelaram que nem Paul Wlaker, nem Roger Rodas tinham consumido álcool ou drogas. Ambos tinham cinto de segurança e os airbags funcionaram devidamente.