A atriz Catherine Deneuve e o ator John Malkovich, que trabalharam juntos nos filmes «O Convento» (1995), «Vou para Casa» (2001) e «Um Filme Falado» (2003) de Manoel de Oliveira, recordaram, em exclusivo para a TVI, como era trabalhar com o cineasta e como receberam a notícia da sua morte.
 
Deneuve, que interpretou «Hélène» no filme de 1995, diz que o realizador era alguém «muito singular, diferente de outros cineastas, e que trabalhar com Manoel de Oliveira foi uma «experiência para sempre recordar».

                
 

«Uma experiência com um cineasta com uma personalidade tão forte e um estilo tão particular como o dele é seguramente uma experiência que vamos sempre recordar. (…) Desde que o conheço que o vi a fazer um filme por ano. Era alguém muito charmoso, um homem que gostava muito de mulheres, que tinha uma curiosidade por tudo, pela vida. Era muito curioso, muito insaciável com a vida e a vontade de acumular experiências diferentes», disse.

 

Veja também:  Teresinha de «Aniki Bóbó» chora a morte de Manoel de Oliveira


Deneuve contou que estava com Manoel de Oliveira quando o realizador decidiu que não ia recorrer mais à técnica do «travelling», que consiste em movimentar a câmara para acompanhar, por exemplo, um personagem, algo que a surpreendeu, mas que fazia parte do estilo «singular» do realizador.

«Estava a trabalhar com ele quando decidiu não fazer mais “travellings”. Isso era muito estranho e até irreal, e ele [calmamente] explicou-me que isso não tinha importância, que não se ia notar no ecrã, e eu segui-o. Também rodei filmes experimentais com outros realizadores, cada um com fixações e obsessões diferentes, em todo o caso com o Manoel de Oliveira tudo era muito singular».


                


Já John Malkovich, que interpretou Michael Padovic, em «O Convento», diz que é difícil imaginar um mundo sem o cineasta português, ainda que Manoel de Oliveira tenha tido uma vida longa e rica. Malkovich enumera ainda os seus filmes preferidos do realizador português.
  

«É muito difícil para mim imaginar um mundo sem a luz e presença. (…) É muito triste isto da vida e da morte, mas c’est la vie. [Manoel de Oliveira] teve uma vida longa e incrivelmente rica. O meu filme preferido dele é o “Vale Abraão” (1993), [mas] também gosto muito de “Non [a Vã Glória de Mandar]”. Pessoalmente adoro as curtas que ele fez sobre a cidade do Porto».


Leia também:

Produtor Paulo Branco: «Mais do que artista, Manoel de Oliveira era um artesão»

Manoel de Oliveira: o génio muitas vezes incompreendido

Manoel de Oliveira conseguiu filmar «até ao fim»

 Governo decreta dois dias de luto nacional pela morte de Manoel de Oliveira

As frases de Manoel de Oliveira